Oposição vai às ruas para ″fechar Bangkok″ | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.01.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Oposição vai às ruas para "fechar Bangkok"

Dezenas de milhares tentam bloquear pontos-chave da capital tailandesa, em protesto para pedir a renúncia da atual premiê e uma reforma do sistema político. Manifestação é pacífica, mas muitos temem volta da violência.

Dezenas de milhares de pessoas foram às ruas de Bangkok nesta segunda-feira (13/01) em protestos pacíficos contra o governo. Os manifestantes querem a renúncia da primeira-ministra Yingluck Shinawatra, o adiamento das eleições de 2 de fevereiro e sua substituição por um conselho eleito que reforme o sistema político da Tailândia, que eles consideram corrupto.

Desde domingo à noite, dentro da campanha chamada de "Fecha Bangcoc" pelo líder dos protestos, Suthep Taughsuban, manifestantes começaram a levantar barricadas e montar barracas em pontos movimentados no centro da capital. Dezenas de ruas foram bloqueadas. O movimento está sendo observado por mais de 18 mil policiais.

Thailand Proteste 13.01.2014

Dezenas de ruas foram bloqueadas em Bangkok

Suthep descarta qualquer negociação com o governo e expressa confiança na vitória da "revolução popular" para erradicar o que chama de "regime de Thaksin", em referência ao ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, irmão de Yingluck.

Desde o golpe de Estado de 2006 contra Thaksin, que vive no exílio em Dubai para evitar uma condenação por corrupção, a Tailândia sofre uma profunda crise política pelo enfrentamento entre opositores e simpatizantes do antigo líder.

Embora os protestos nesta segunda-feira aconteçam de maneira pacífica e em clima até festivo, oito pessoas morreram desde que Suthep passou a liderar o movimento de oposição, anunciou boicote às eleições e estimulou a ocupação de ministérios. O Exército já disse que não vai intervir na crise, mas muitos temem um golpe militar diante de uma eventual escalada da violência.

RPR/efe/ap/rtr

Leia mais