1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Oposição reivindica vitória em eleição presidencial na Nigéria

Ex-ditador Muhammadu Buhari consegue vantagem de 2,1 milhões de votos, e atual presidente Goodluck Jonathan reconhece derrota. Centenas vão às ruas para comemorar resultado da eleição.

O ex-ditador militar e candidato da oposição Muhammadu Buhari venceu a eleição presidencial na Nigéria com 15,4 milhões de votos, contra 13,3 milhões conquistados pelo atual presidente, Jonathan Goodluck, de acordo com uma apuração preliminar feita pela agência Reuters em todos os 36 estados do país. O resultado oficial deve ser divulgado ainda nesta terça-feira (31/03).

Segundo o porta-voz do opositor, Goodluck ligou para Buhari para parabenizá-lo pela vitória. Após o partido do ex-ditador, o APC, declarar vitória, celebrações tiveram início na capital, Abuja. Também na cidade de Kaduna, apoiadores de Buhari já comemoram a vitória do político, com centenas de jovens gritando: "Mudança! Mudança! Mudança!"

Na Nigéria, para se tornar vencedor, o candidato tem que obter, além da maioria absoluta dos votos, pelo menos 25% dos votos em dois terços dos 36 estados do país e no Território da Capital Federal. Caso nenhum candidato obtivesse a maioria necessária, um segundo turno deveria ser realizado em duas semanas.

Os EUA e o Reino Unido haviam alertado nesta segunda-feira sobre a possibilidade de interferência política na contagem final dos votos. O porta-voz da campanha de Goodluck afirmara que a afirmação era um "disparate" e exigira evidências. Nesta terça-feira, o Departamento de Estado dos EUA disse que o país estaria disposto a trabalhar com qualquer candidato eleito democraticamente como presidente nigeriano.

Buhari, de 72 anos, é um ex-ditador militar apoiado por uma ampla aliança de oposição. A derrota do atual chefe de Estado, de 57 anos, é o primeiro sucesso eleitoral da oposição desde o retorno da democracia à Nigéria, em 1999. O pleito é o mais disputado da história da maior economia da África, com 173 milhões de habitantes.

LPF/ap/rtr/afp

Leia mais