Oposição promete combater constituinte de Maduro | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 02.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Oposição promete combater constituinte de Maduro

Movimentos antichavistas denunciam que reforma da Constituição é manobra de um presidente acuado para continuar no poder e pedem que população continue nas ruas e se rebele.

Primeiro protesto contra Constituinte bloqueia ruas em Caracas

Primeiro protesto contra Constituinte bloqueia ruas em Caracas

Um dia após o anúncio da convocação de uma Assembleia Constituinte pelo presidente Nicólas Maduro, a oposição venezuelana afirmou que vai combater a tentativa de modificar a Constituição e pediu que a população se rebele contra a iniciativa, considerada uma tentativa de marginalizar o Legislativo.

"Se todos não derem tudo, corremos o risco de que ocorra o que o mundo inteiro está lutando, junto conosco, para evitar, que é o aniquilamento da democracia", disse nesta terça-feira (02/05) o líder do Parlamento, o opositor Julio Borges, que classificou a Constituinte como um golpe de Estado e pediu aos venezuelanos que continuem protestando.

No primeiro protesto contra a Constituinte, centenas venezuelanos em Caracas e em várias cidades do país bloquearam ruas e avenidas.  A ação faz parte da estratégia da oposição, reunida na aliança Mesa da Unidade Democrática (MUD), para pressionar o governo através de manifestações populares e evitar, desta maneira, a convocação do processo.

A iniciativa impulsionada pela MUD para fechar as principais vias de circulação do país foi colocada em prática em dezenas de pontos da capital venezuelana e do interior.

Durante os bloqueios, os participantes seguravam cartazes pedindo a renúncia do presidente chavista e o acusavam de violar a Constituição, criada há 16 anos por iniciativa de seu antecessor, Hugo Chávez, num processo similar. A oposição convocou ainda um megaprotesto para esta quarta-feira.

Os bloqueios desta terça-feira, que se somam a mais de um mês de manifestações, ocorreram um dia após o anúncio de Maduro sobre a Constituinte, que, segundo o líder, seria a única solução para a crise. A oposição acusa o presidente, porém, de tentar adiar as eleições deste ano e a presidencial marcada para 2018. Pesquisas indicam que os chavistas seriam derrotados em ambos os pleitos. 

Presidente sob pressão

Maduro não deu cronograma para o processo e não esclareceu se a Constituinte vai se encarregar de redigir uma nova Carta ou se vai se limitar a reformar a atual, aprovada por Hugo Chávez há 18 anos, após chegar ao poder, e que deu início à chamada "República Bolivariana".

A assembleia, limitou-se a dizer o líder venezuelano, será "cidadã, e não de partidos políticos". Ela seria eleita com o voto direto do povo e teria cerca de 500 integrantes – metade deles escolhidos diretamente por movimentos sociais, como sindicatos e grupos indígenas.

Opositores dizem que o anúncio é outra tentativa de marginalizar o atual Legislativo, liderado pela oposição, e manter o impopular Maduro no poder em meio à recessão e a uma onda de protestos.

As manifestações costumam ser duramente reprimidas pela polícia. Pelo menos 29 pessoas morreram desde o início da ação. O estopim para a onda de protestos foi a decisão do TSJ de assumir as competências do Assembleia Nacional, de maioria opositora.

O golpe institucional foi amplamente condenado internacionalmente, e, sob pressão, a Corte acabou revogando a decisão, o que não foi suficiente para reverter a profunda queda na popularidade de Maduro. 

Maduro e seus partidários afirmam que a oposição quer derrubá-lo à força como parte de uma conspiração apoiada pelos Estados Unidos para colocar um governo de direita no comando da Venezuela.

Entre outras coisas, opositores pedem eleições, o resgate da autonomia do Legislativo, liberdade para mais de 100 ativistas presos e um canal de ajuda humanitária do exterior para aliviar a crise econômica da Venezuela, onde faltam produtos básicos.

Leia mais