Oposição na Eslováquia fecha acordo para aprovar fundo de resgate | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 12.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Oposição na Eslováquia fecha acordo para aprovar fundo de resgate

Após rejeitarem ampliação do FEEF em plenário, parlamentares eslovacos garantem apoio em uma segunda rodada de votação da proposta. Em troca receberam a promessa de novas eleições no país em março do ano que vem.

Eslováquia será o último país da UE a aprovar novo fundo

Eslováquia será o último país da UE a aprovar novo fundo

Após a rejeição da proposta de ampliação do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF), a Eslováquia fará uma segunda rodada de votação para evitar o bloqueio da reforma na Europa.

O governo eslovaco e o partido mais importante da oposição, o social-democrata Smer, chegaram a um acordo nesta quarta-feira (12/10) e levarão a proposta novamente a plenário nesta sexta-feira (14/10). Em troca, a oposição recebeu a promessa de novas eleições em março de 2012.

A Eslováquia será o último dos 17 países da zona do euro a aprovar a remodelação do FEEF. Após intensas e acaloradas discussões no Parlamento em Bratislava na noite desta terça-feira, a proposta acabou sendo rejeitada por conta do boicote dos parlamentares do partido de coalizão Liberdade e Solidariedade (SaS), liderado por Richard Sulik.  Apenas 55 dos 124 deputados presentes votaram a favor da ampliação do fundo.

Após o acordo com a oposição, os outros três partidos da coalizão agora afirmam que também aprovarão a medida em plenário. Juntos, eles chegam a uma ampla maioria de 119, dos 150 assentos do Parlamento.

A reprovação do fundo foi um duro golpe para a primeira-ministra Iveta Radicova, que havia atrelado a aprovação da proposta a uma moção de desconfiança em relação a seu governo. Segundo o presidente do partido Smer, Robert Fico, nesta quinta-feira o Parlamento deve avaliar uma proposta para a realização de novas eleições em 10 de março do ano que vem. Fico, que entre 2006 e 2010 foi chefe de governo da Eslováquia, condicionou a ampliação do fundo de resgate à aprovação das novas eleições.

A resistência eslovaca ameaçava os esforços para tentar salvar os bancos e contornar a crise da dívida grega, mesmo após Atenas ter recebido sinal verde de auditores da União Europeia, do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Central Europeu (BCE) para receber dinheiro do fundo de resgate. O novo FEEF vai disponibilizar 440 bilhões de euros, em vez dos atuais 250 bilhões de euros, para ajuda financeira no bloco europeu.

MS/afp/dpa
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais