1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Opinião: Terrorismo islâmico se dirige contra todos nós

Às vésperas do primeiro ano do "califado" do EI, onda de atentados varre mundo árabe e atinge também a Europa. Está na hora de reavaliar estratégias, alianças e tabus, opina Rainer Sollich, chefe da redação árabe da DW.

default

Rainer Sollich, chefe da redação árabe da DW

Mortos num hotel turístico da Tunísia. Mortos numa mesquita xiita do Kuwait. Mortos num atentado na Somália. Explosão e decapitação de um civil na França. Quatro notícias de horror no mesmo dia, sem contar as vítimas do terror cotidiano na Síria, no Iraque e em outros países da região.

O terrorismo avança. E transborda para países que até então raramente estavam no centro de atentados violentos. Por exemplo a Tunísia, que penosamente tenta encontrar um caminho para a estabilidade, que integra tanto muçulmanos ortodoxos moderados quanto forças seculares.

O atentado ao Museu do Bardo já fora uma óbvia tentativa de fazer fracassar esse modelo e semear o caos. O ataque contra o hotel em Sousse serve claramente ao mesmo fim, além de atingir o altamente sensível e economicamente vital setor turístico tunisiano.

É menos relevante se quem está por trás do ataque é realmente o terrorista "Estado Islâmico" (EI), ou imitadores, ou outros grupos jihadistas como a Al Qaeda. A meta declarada é impedir que se estabeleça um possível modelo de democracia funcional e de sociedade civil no mundo islâmico. E, como na maior parte dos atentados supostamente cometidos em nome do islã, a maioria das vítimas é muçulmana.

Mas também os países ocidentais entram cada vez mais na mira: agora foi a França, pela segunda vez em grande dimensão. Há nem meio ano a redação do tabloide satírico Charlie Hebdo foi atacada por terroristas; desde então ataques fatais de fundo fundamentalista também ocorreram em outros países europeus.

O ministro alemão do Interior, Thomas de Maizière, disse abertamente não poder garantir que a Alemanha vá permanecer a salvo dos atentados terroristas. Essa é a triste verdade: qualquer um de nós pode ser atingido, tanto nos países árabes como na Europa, América, África ou Ásia.

Essa não é uma boa hora para ficar dando conselhos. Não há como vencer o EI nem outros jihadistas da noite para o dia, nem em sua região de origem nem em outras partes do mundo. Eles estão muito bem organizados para tal, tanto do ponto de vista militar e logístico, quanto no moderno campo de batalha da propaganda nas redes sociais e na internet.

Mas tampouco bastam gestos de solidariedade para com os países atingidos. Quem quer combater o terrorismo de forma eficaz tem que empreender mais contra a pobreza e a opressão no mundo árabe. Da mesma forma precisamos nos empenhar para que cada vez mais jovens – mesmo na Europa – não se sintam atraídos pelas seduções da marcial propaganda jihadista.

E: possivelmente no interesse de nossa própria segurança, não teremos como evitar um endurecimento ainda maior das medidas de segurança, mesmo que elas sejam impopulares e jamais capazes de oferecer uma segurança absoluta contra os atentados.

Entretanto é também preciso se perguntar criticamente se a luta militar contra o EI na Síria e no Iraque poderá de fato ser vencida apenas com ofensivas aéreas e o apoio militar de tropas de solo locais selecionadas.

Faz um ano que o EI proclamou seu assim chamado "califado". E até agora, apesar de esporádicas "notícias de sucesso" dos americanos, não há sinais de que esse "Estado" vá desaparecer em breve. Mal os jihadistas entram na defensiva, eles se retiram – e atacam mais tarde em outro local. Não estamos lidando só com fanáticos desorientados, mas infelizmente também com militares profissionais.

Precisa igualmente ser reavaliado se nós, o Ocidente, estamos mesmo colaborando com os parceiros certos no mundo árabe. Por tempo demais a Arábia Saudita – para citar apenas um exemplo – esteve disposta a deixar os jihadistas agirem na Síria.

Por anos a fio os sauditas não impediram que, de seu país e de outros estados do Golfo Pérsico, fluíssem verbas para grupos jihadistas. Além disso – com a guerra no Iêmen e com sua disputa por uma supremacia permanente em relação ao Irã –, Riad persegue uma política que segue exacerbando as diferenças entre sunitas e xiitas, fazendo assim o jogo da propaganda terrorista.

Também para isso não há uma solução fácil. Mas é preciso, finalmente, que se fale em termos claros e diretos.

Leia mais