1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Opinião: Putin expõe velhas ideias com nova retórica

Presidente assumiu papel de "bom czar" no discurso anual sobre o estado da nação. Ele vendeu imagem de uma Rússia forte e criticou Ocidente em tom mais moderado, opina Ingo Mannteufel, chefe da redação russa da DW.

Ingo Mannteufel, Leiter der Europa-Redaktion der DW

Ingo Mannteufel, chefe da redação para a Europa da Deutsche Welle

Para aqueles que amam a Rússia e os russos, os discursos de Putin sobre o estado da nação soam, há anos, como música para os ouvidos. E desta vez não foi diferente: com palavras melodiosas, ele sabe delinear a imagem de uma Rússia boa, unida e forte, na qual o Estado garante aos seus cidadãos o livre desenvolvimento econômico, cuida dos pobres e fracos, e implementa planejadamente as medidas necessárias para a reindustrialização do país.

Putin assume o papel do bom czar ao anunciar alívios burocráticos para pequenos empresários, anistias fiscais, baixas taxas de inflação, investimentos em infraestrutura, parques industriais e programas de bolsas de estudo para estudantes. Em seu discurso sobre o estado da nação, a lista de projetos de lei e boas ações planejadas também foi longa.

Mesmo em relação ao exterior, o presidente russo encontrou palavras relativamente suaves diante da crise da Ucrânia e das graves diferenças com os Estados Unidos e União Europeia. Ele repetiu um ponto de vista sobre a Crimeia e a crise da Ucrânia, que atualmente já se tornou canônico na Rússia. Mas o seu discurso não foi direcionado de forma confrontante ao Ocidente ou à Ucrânia.

Pelo contrário, Putin assinalou que a Ucrânia tem o direito ao autodesenvolvimento e que a Rússia quer continuar aberta à cooperação com o exterior – especialmente em termos econômicos. Ou seja, nesse ponto ele também se mostrou o bom czar.

Mas as belas palavras de Putin sobre o presente e o futuro da Rússia não são mais que vinho velho em garrafas novas. Já há anos ele promete reformas liberal-tecnocráticas e investimentos na reindustrialização da Rússia. Em sua última campanha eleitoral, em 2012, chegou a anunciar até a criação de 25 milhões de novos postos de trabalho altamente produtivos até 2020.

Mas não há resultados visíveis. A corrupção e a má gestão são responsáveis, muitas vezes, pelo desaparecimento de investimentos estatais. Há anos que Putin quer agir com controle e dureza através dos órgãos de segurança, mas curiosamente a expressão "Estado de direito" não foi mencionada nenhuma vez no atual discurso de Putin.

Também não houve nada de novo no objetivo de Putin de repatriar o capital russo depositado no exterior – principalmente em paraísos fiscais. Desta vez, ele prometeu uma ampla anistia. Já em seu discurso sobre o estado da nação de 2012, Putin se manifestou veementemente sobre o tema, cunhando o termo "deoffshorização" da economia russa.

No entanto, a realidade é diferente: o ministro russo das Finanças declarou, há poucos dias, que a fuga de capitais da Rússia somou, em 2014, entre 120 e 130 bilhões de dólares, o que significaria o dobro de 2013. Isso mostra que o plano de se recuperar o capital russo do exterior para modernizar a economia russa, em vez de atrair investidores, não está tendo êxito.

Por esse motivo, apesar das generosas promessas, o discurso de Putin sobre o estado da nação não é nada mais que um espirituoso "continue assim". Foi o discurso de um político que se vê no caminho certo e que é apoiado pela elite. É muito questionável se, com essa receita, ele poderá enfrentar os desafios econômicos, sociais e políticos da Rússia.

O preço do petróleo caiu acentuadamente nos últimos meses, o que teve impactos negativos perceptíveis sobre as receitas do governo, sobre a cotação do rublo e, assim, sobre o poder de compra da população. As sanções do Ocidente – devido à política em relação à Ucrânia – reforçaram ainda mais esse efeito negativo para a economia russa.

É um mistério como vai ser possível, sob tais condições, pressionar a inflação abaixo dos 4% e, ao mesmo tempo, alcançar taxas de crescimento do Produto Interno Bruto acima da média mundial. O discurso de Putin mostrou claramente que se esgotou o modelo político-econômico na Rússia. O país e os russos estão diante de tempos difíceis. Uma tristeza para todos aqueles que amam a Rússia e os russos – apesar das belas palavras de Putin.

Leia mais