1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Opinião: Pequim não cede a manifestantes de Hong Kong

Forma de escolha do líder do Executivo vem há meses provocando protestos na ex-colônia. Com novo projeto de lei, o governo chinês perdeu uma chance de conciliação, opina Philipp Bilsky, chefe da redação chinesa da DW.

default

Philipp Bilsky, chefe da redação chinesa da DW

Há meses os cidadãos de Hong Kong esperavam esse projeto de lei, e por sua causa dezenas de milhares foram às ruas no terceiro trimestre de 2014. Agora ele foi apresentado, e a conclusão é que, nas questões centrais, Pequim não cedeu em absoluto.

A reação das forças pró-democráticas de Hong Kong veio prontamente: diversos deputados abandonaram o Parlamento em seguida à apresentação do projeto de lei. Muitos vestiam um pulôver ornamentado com uma grande cruz. Sua mensagem implícita: "Conosco, não!"

O que está em jogo é a forma de escolha do líder do Executivo da ex-colônia real britânica, a partir de 2017. Quando Hong Kong foi devolvida à China, em 1997, apresentou-se à população a perspectiva de que ela própria elegeria seu dirigente.

Em agosto último, Pequim apresentou as primeiras condições básicas. Haveria eleições, de fato, mas só poderiam concorrer candidatos previamente selecionados. O novo projeto de lei mantém esse princípio: apesar dos veementes protestos, ele só traz alterações nos detalhes.

Concretamente, o processo eleitoral deverá funcionar da seguinte maneira:

1) Um grêmio de 1.200 membros, composto quase exclusivamente por forças ligadas ao governo chinês, apresenta uma lista contendo até dez candidatos, sob a condição de que cada um obtenha pelo menos 120 dos votos.

2) A lista é em seguida reduzida a três candidatos, que precisam contar com pelo menos a metade dos votos do grêmio.

3) Apenas na última fase a população de Hong Kong pode votar nos candidatos restantes. Em tal sistema fica excluída, na prática, a possibilidade de um integrante das forças pró-democráticas chegar à última rodada.

Com esse projeto de lei, Pequim perdeu uma chance de atender às preocupações de muitos habitantes da cidade da costa sudeste da China. Sua apresentação mostra que o governo continua não estando disposto a se dobrar à pressão das ruas. Assim, seis meses após o início dos protestos, os integrantes do "Movimento dos Guarda-Chuvas" não estão mais próximos, nem um centímetro, da meta de uma Hong Kong democrática.

O Parlamento só votará em meados do ano o projeto de lei agora apresentado, os otimistas entre as forças pró-democráticas seguem esperando que Pequim se mova. Contudo no momento não há muita base para tal esperança.

Leia mais