1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Opinião: Para EUA segurança vale mais que sensibilidade dos países amigos

Prisão de membro da inteligência alemã que vendia dados sigilosos para os americanos abala a confiança entre EUA e Alemanha. Mas a Berlim só resta se proteger, opina Miodrag Soric, correspondente da DW em Washington.

Miodrag Soric Studio Washington

Miodrag Soric, correspondente da DW em Washington

Depois da revelação de que a Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos espiona os cidadãos alemães, tendo mesmo grampeado o celular da chanceler federal alemã, Angela Merkel, agora mais esse escândalo: durante um ano e meio, um funcionário do Departamento Federal de Informações (BND), o serviço secreto alemão, vendeu informações confidenciais para os americanos. Muitos estão indignados na Alemanha. Comentários na mídia ou entre os parlamentares alemães acusam os americanos não serem confiáveis. O Ministério Público abriu inquérito.

Mas como os EUA reagem? Primeiro, sequer reagem. Os americanos têm um fim de semana prolongado, em que comemoram seu feriado nacional. Jornais dos EUA ou não tocam no assunto ou se limitam a citar publicações alemãs. Congressistas e senadores estão em suas bases eleitorais. O governo permanece em silêncio.

Quem conversou com funcionários de think tanksamericanos neste fim de semana, recebeu sempre a mesma resposta: eles se espantam que os alemães estejam fazendo tanto estardalhaço sobre o assunto, chegando até a convocar o embaixador dos EUA em Berlim. Eles ressaltam ser um fato que os serviços secretos dos EUA espionam outros Estados, incluindo aqueles com que têm laços de amizade, como Israel, França e Alemanha. E não vão mudar seu comportamento no futuro. A opinião é que, embora a Alemanha deseje receber um tratamento especial, Washington não o concederá.

O próprio presidente americano, Barack Obama, também deixou isso claro durante a última visita da chanceler Angela Merkel à Casa Branca. Ele assegurou que o celular da chefe de governo alemã não será mais grampeado. Outros comprometimentos – até mesmo de um acordo de não espionagem – não houve.

Várias centenas de agentes do serviço de inteligência dos EUA continuam atuando na Alemanha, de forma totalmente oficial. A maioria tem status diplomático, e muitos cooperaram com o BND. Se um funcionário do serviço secreto alemão oferece a eles informações sigilosas que lhes parecem importantes, eles a aceitarão, comprarão e levarão para fora do país. No futuro também.

Estimativas indicam que o serviço de inteligência dos EUA dispõe de um orçamento de cerca de 50 bilhões de dólares – uma quantia enorme. Por medo de que um ataque terrorista como o do 11 de Setembro se repita, os EUA vão continuar a investir na NSA, CIA ou DIA, a Defense Intelligence Agency. Em caso de dúvida, para Washington, a própria segurança é mais importante do que a sensibilidade de Estados amigos. Isso soa arrogante, de uma perspectiva europeia. Para os americanos, é algo óbvio.

No final, a Alemanha não tem outra escolha a não ser tentar se proteger. Até mesmo de tentativas de espionagem dos Estados Unidos. Os americanos entenderiam, se Berlim decidisse gastar mais dinheiro nesse campo.

Porque, no final das contas, a administração Obama sabe que seus aliados, incluindo a Alemanha, são beneficiados com a informação coletada pela inteligência dos EUA. Por isso, dizem os especialistas, o governo americano espera de que o mal-estar diplomático causado pelo recente escândalo envolvendo o BND logo vá se arrefecer. E aí será business as usual.

Leia mais