1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Opinião: Muçulmanos, vocês também são a Alemanha!

Pegida não é Frente Nacional, e a islamofobia alemã não é tão pronunciada como na França. Mas muçulmanos também precisam agir para reverter as tendências discriminatórias, opina Volker Wagener, da redação alemã da DW.

default

Volker Wagener, da redação alemã da DW

O atentado assassino em Paris atinge a Alemanha no momento mais inadequado possível. A partir de Dresden se alastra uma islamofobia difusa, infelizmente de tons inegavelmente simplistas, até mesmo racistas. Justamente os espíritos simplórios do movimento Pegida se sentem agora que sua irracional e generalizada crítica ao islamismo é justificada.

Não há dúvida: algo está por vindo na direção da Alemanha. E vai afetar a política, as municipalidades, os professores, os jornalistas e todos aqueles que ocupam cargos públicos ou simplesmente tentam intervir quando um clima alarmista toma conta da comunidade.

Sem dúvida, a Alemanha, enquanto Estado e sociedade, está mais sólida que seu vizinho francês. Falta-lhe um passado colonial no mundo islâmico, como o da "Grand Nation"; sua economia está mais estável, o desemprego é menor e a problemática dos subúrbios não é tão dramática em Berlim, Frankfurt ou Munique quanto nos banlieues de Paris e Marselha.

E enquanto a antiga grande França se exaure, há anos, numa crise de identidade, os alemães conseguem, praticamente no mesmo lapso de tempo, desenvolver uma autoimagem mais positiva. Resumindo: a França está literalmente malade, da cabeça e do corpo; a Alemanha sofre de um ligeiro achaque chamado Pegida.

Uma comparação entre a Frente Nacional (FN) e o movimento Pegida (sigla alemã para "Europeus patriotas contra a islamização do Ocidente") já torna a diferença óbvia. Na França, a xenófoba FN é um partido de pleno direito, com 25% do eleitorado nacional e, portanto, em pé de igualdade com o velho Partido Social-Democrata (SPD) da Alemanha.

Os "europeus patriotas" da Saxônia são, comparativamente, um breve instantâneo da vida na província. Eles não constituem – felizmente – um partido, não sendo, portanto, legitimados pela sociedade.

Ainda assim, vale a antiga fórmula: quando na França, Reino Unido ou Itália legendas de extrema direita ocupam o parlamento com 10% ou mais dos votos, isso não é, nem de longe, tão alarmante para as sociedades locais quanto fragmentárias organizações xenófobas no centro da Alemanha.

Haverá uma outra explicação para o fato de, há semanas, os grandes meios de comunicação em Paris e Londres se interessarem tanto por tão pouco de Pegida? A história continua a projetar sombras.

A última coisa de que a Alemanha precisa é o fatal atentado contra os jornalistas do Charlie Hebdo servir de justificativa para os que são incapazes de reconhecer a gritante diferença entre terroristas contaminados pelo "Estado Islâmico" e nossos vizinhos turcos. Nesse ponto, é preciso um grande trabalho de paisagismo político-social – para começar, por parte dos partidos que representam a maioria.

Mas também aos 4 milhões de muçulmanos na Alemanha cabe responsabilidade pela paz cultural do país. De acordo com uma enquete da Fundação Bertelsmann, 90% dos muçulmanos com passaporte alemão consideram a democracia uma boa forma de governo. Entretanto, no dia a dia, pouco se percebe, da parte deles, um segundo patriotismo pelo país onde moram, trabalham e enviam seus filhos para a escola.

Nesse ponto, os imigrantes dos Estados Unidos continuam manifestando mais identificação com sua segunda pátria. Decerto a disposição dos alemães a acolher e integrar não tem a mesma qualidade da que demonstra a América do Norte, como clássica nação de imigrantes. No entanto, a eterna alusão a uma islamofobia latente ou a uma rejeição generalizada aos estrangeiros na Alemanha tampouco é vantajosa para os muçulmanos alemães, a longo prazo.

Um sinal convincente relativo que partiu do atentado em Paris é a convocação das associações islâmicas para que se vá às ruas. Seria, por assim dizer, um contramovimento às passeatas do Pegida e um gesto genuíno de solidariedade; uma demonstração de afinidade com a Alemanha e sua ordem constitucional.

E isso é bem no espírito de John F. Kennedy, que ao ser empossado presidente dos EUA em 1961, urgiu os americanos a não perguntarem o que o Estado podia fazer por eles, mais sim o que eles podiam fazer pelo país.

Leia mais