Opinião: Marx como artigo de consumo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 06.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Opinião: Marx como artigo de consumo

Por ocasião do 200º aniversário do pensador alemão, imponente estátua será inaugurada em sua cidade natal. Presente da China, obra de bronze não passa de mais um artigo da marca Karl Marx, opina Zoran Arbutina.

Esboço em madeira da nova estátua de Karl Marx em Trier

Esboço em madeira da nova estátua de Karl Marx em Trier

Trier, a cidade natal de Karl Marx, vai receber uma estátua de seu famoso filho por ocasião do 200° aniversário do pensador alemão. Feita de bronze, ela retrata numa pose heroica o grande... filósofo? Revolucionário? Agitador? Com o olhar decidido, ele parece avançar rumo a um futuro melhor. Na mão esquerda, segura um livro: O Capital.

Se for para ornamentar a cidade, então a estátua deve ser muito, e não só um pouco decorativa. Por esse motivo, ela medirá, junto com o pedestal, 5,50 metros e será posicionada no coração do centro histórico, não muito longe do marco da cidade, a famosa Porta Nigra romana.

Leia também: Trier aceita estátua de Karl Marx oferecida pela China

Quando se trata de Marx, nenhum superlativo parece ser grande demais. O Capital, sua principal obra, é considerada um dos livros mais influentes da história moderna, enquanto o Manifesto Comunista, umpanfleto bem menor e muito mais fácil de ler, já foi leitura obrigatória para dois terços da população mundial.

No auge do movimento socialista e comunista, na década de 1970, governos de 60 países do mundo se comprometeram com a doutrina de Marx, e milhões e milhões de pessoas em todo o planeta ligaram seu nome à esperança de um futuro melhor e mais justo, em que se poderia viver livre e dignamente.

Para Marx, a religião era o ópio do povo – o que não impediu que seus seguidores o elevassem ao patamar de santo. Após a sua morte, foi criada uma religião substituta dogmática, chamada de "marxismo". Em nome dela, foram cometidos alguns dos piores crimes da história da humanidade – genocídio, fuzilamentos em massa e deportações generalizadas. Ao mesmo tempo, atrocidades igualmente brutais foram cometidas para combater tais crimes.

Arbutina Zoran Kommentarbild App

Zoran Arbutina é jornalista da DW

Até que ponto Marx pode ser responsabilizado por tudo o que aconteceu em seu nome, tanto do lado emancipatório quanto do criminoso, é uma questão que está em aberto há décadas. Enquanto apoiadores dizem que ditadores e déspotas apenas abusaram e instrumentalizaram o nome de Marx, críticos respondem que a ditadura já estava na raiz de seu pensamento – afinal de contas, foi ele quem sonhou com uma "ditadura do proletariado".

Muito provavelmente, no entanto, Marx não foi nem profeta nem demônio, mas antes uma tela sobre a qual todos projetam a imagem que mais lhe convêm. Assim como na história dos movimentos comunista e socialista, o elemento libertador e o opressivo estiveram muitas vezes justapostos em Marx, tornando difícil perceber a transição de um para o outro. Desse modo, nem suas opulentas obras, todos conseguiam encontrar passagens que legitimassem seus atos.

E hoje, passados 200 anos do nascimento do pensador e 150 anos da publicação de O Capital, a recepção do pensador é cada vez mais aleatória. Há muito tempo seu nome e sua imagem se degeneraram, transformando-se em artigo de consumo. 

A estátua de Trier é um exemplo brilhante disso. Ela é um presente da China. Foi, por assim dizer, uma oferta que a administração municipal dificilmente poderia recusar. Segundo os planos originais, a estátua deveria ter até mesmo 80 centímetros a mais. O que é uma atitude consequente considerando que o grande país no extremo Oriente é uma potência econômica com um capitalismo cujo controle e implacabilidade são difíceis de superar e que o país se autodenomina comunista e alude ao marxismo já no preâmbulo de sua Constituição.

Os chineses estão entre os principais grupos de turistas que visitam a pequena cidade de Trier, na região do rio Mosela, por ser local de nascimento de Marx. Agora, quando chegarem agora ao centro histórico através da Porta Nigra, logo vão se deparar com o pensador, apontando-lhes o caminho para a casa onde nasceu.

E se lá chegando, eles não tiverem tempo ou vontade de admirar a decoração burguesa da casa onde Marx passou a infância, poderão virar à direita logo na entrada, em direção à loja do museu. Ali estão à venda bustos menores e maiores de Marx pintados de preto ou dourado. Há também sacolas de compras impressas com o texto do Manifesto Comunista e "chocolates finos Karl Marx" em vermelho, também com caracteres chineses – uma barra de 100 gramas custa 4,95 euros (cerca de 20 reais). Em breve, também pequenas réplicas da nova estátua de Marx estarão à venda na loja.

Embora esta não seja uma frase de Marx, talvez ele tivesse concordado que "o dinheiro é que move o mundo". O pensador sabia do poder do capital.

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais