1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Opinião: Guerra no Afeganistão transformou também a Alemanha

Traumas com combates reais revigoraram pacifismo alemão, mas importância da atuação militar também reforçou comprometimento de Berlim com parceiros internacionais, opina Florian Weigand, chefe da redação afegã da DW.

default

Florian Weigand, é chefe da redação afegã da DW

"Mission accomplished"? A produção de ópio no Afeganistão é maior do que nunca, o número de ataques dos talibãs também alcançou novos recordes. Mesmo na antiga base das Forças Armadas alemãs, Kunduz, os insurgentes conseguiram, por um curto período de tempo, mas com força simbólica, içar sua bandeira em meados deste ano.

Já há temores de que haja as conversações entre talibãs e o "Estado Islâmico" estejam em andamento. Grandes partes do país não estão mais sob o poder do Estado – ele mesmo corrupto –, mas voltaram a obedecer aos comandos dos senhores de guerra locais. A capital não é mais segura, nem mesmo no altamente seguro centro da cidade: os ataques acontecem também por lá. Em suma, o sucesso parece algo bastante diferente disso.

Mas também seria igualmente errado falar em uma derrota completa. Na sombra da missão da Isaf, foram abertos hospitais e escolas – nunca tantas meninas frequentaram uma sala de aula como hoje. Isto é, naturalmente, principalmente mérito da ajuda civil. Sem a presença das forças estrangeiras e das inesgotáveis doações de ajuda financeira ligadas a elas, isso não teria sido possível. O Afeganistão mudou.

Mas mudou também a Alemanha. Quando o Exército alemão foi ao Afeganistão há 13 anos, foi ingênuo o suficiente para acreditar que estava indo para uma missão como nos Bálcãs. Pensava-se que os ataques aéreos após o 11 de Setembro tinham minado o Talibã de vez, que o Afeganistão logo estaria pacificado, como a Bósnia e o Kosovo. E que, com isso, seria o suficiente passear nas ruas com chocolate e com um caderninho de encomendas para projetos de reconstrução para se conquistar o coração da população.

É difícil de acreditar, mas no início da missão, os soldados até andavam pelas ruas de Kunduz dirigindo carros japoneses comprados no mercado local, sem qualquer blindagem.

Mas a resistência foi se formando, primeiro, fora dos caminhos de patrulha e, depois, abertamente. De repente, os soldados alemães se viram envolvidos em combates terrestres contra guerrilheiros locais. Houve mortos e feridos, repatriados psicologicamente traumatizados trouxeram experiências terríveis do Afeganistão às salas de estar alemãs. Em outros lugares, famílias choraram por aqueles que não voltaram para casa. Era a guerra – uma palavra que políticos sequer ousaram pronunciar, enquanto cada vez mais caixões chegavam à Alemanha.

E, então, um oficial ordenou o bombardeio de um caminhão-tanque perto de Kunduz. Civis inocentes morreram. O Exército alemão se tornava, também ele, responsável por um crime. O apoio da população alemã à missão no Afeganistão diminuía cada vez mais, e os políticos passaram a ter que se explicar.

A partir dessas experiências, estão presas as linhas da política externa alemã de hoje. Isso explica a hesitação da Alemanha a respeito dos ataques aéreos contra a Líbia e agora também em relação à atuação contra o EI no Iraque e na Síria.

A Alemanha é um país pacifista. E não mais a partir de uma lembrança esmaecida e cada vez mais ritualizada da culpa pela Segunda Guerra Mundial, mas, especificamente, por causa da missão Isad. Nas Forças Armadas alemãs, a Bundeswehr, toda uma geração de oficiais vivenciou combates reais. Suas experiências, que eles levam ao Ministério da Defesa, têm forte influência sobre o meio político.

Ao mesmo tempo, a Alemanha impulsionou, com a missão, uma dinâmica que é quase impossível de se parar. No futuro, a comunidade internacional também vai esperar uma contribuição alemã. Isso diz respeito tanto à continuação da missão no Afeganistão, como ao mandato na região curda. Para cumprir o segundo, mesmo a interpretação da Constituição alemã foi feita da forma mais generosa possível.

A missão dos soldados deve ser restrita ao treinamento dos combatentes curdos peshmerga. Mas o Afeganistão já se torna um exemplo de como a Bundeswehr pode ser atraída rapidamente a uma nova missão de combate. Vamos ver como a Alemanha vai lidar com este ato de equilíbrio entre o compromisso com a paz e a responsabilidade em relação à política mundial.

Leia mais