1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Opinião: Greve de trens pela nona vez? Agora chega!

Além de abusar da paciência da população e de tomá-la como refém, sindicato dos maquinistas põe em risco o próprio direito de greve. Tudo por uma questão de vaidade, opina o editor-chefe da DW, Alexander Kudascheff.

default

Alexander Kudascheff, editor-chefe da DW

Não, obrigado, chega, outra greve de trens, não. Não mais uma greve do pequeno Sindicatos dos Maquinistas Alemães (GDL), que se superestima e se acha importante demais. Não mais uma greve que nós, cidadãos normais, não entendemos.

A questão não é dinheiro, nem melhores condições de trabalho, nem aposentadoria. Essa greve gira em torno de uma só coisa: as pretensões de poder de um pequeno sindicato dissidente, encabeçado por um presidente que gosta de se ver na pose de pseudorrevolucionário.

A questão é o sindicato dele, é ele, o seu poder, as suas pretensões de poder. Ele ergue o punho para a companhia ferroviária Deutsche Bahn, ele ergue o punho para nós, cidadãos.

Sim, todas as rodas pararam. Mas não se trata do direito à greve, nem de professoras do jardim de infância, da questão se os nossos filhos e netos vão ter assistência; não se trata de justiça social, muito menos de fechar uma lacuna de justiça, de tornar a sociedade mais humana, de melhores condições para os maquinistas.

Trata-se de autoafirmação, às custas dos cidadãos que são tomados como reféns, porque o GDL assim quer. Pois, até o momento, nas negociações não se falou em explorar as possibilidades de consenso, tampouco se viu verdadeira disposição ao diálogo.

Em vez disso, um sindicalista cabeça-dura age e, no processo, desmonta o direito de greve. A paciência dos cidadãos – não vamos nem falar de compreensão! – agora estourou. E até mesmo os liberal-fundamentalistas estão achando que seria melhor transformar a Deutsche Bahn novamente em empresa estatal, empregando funcionários públicos.

Bela vitória para um sindicato. Pois aí os maquinistas-funcionários públicos vão poder fazer uma única coisa: dirigir trens, em vez de fazer greve!

Leia mais