1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Migração

Opinião: Egoísmo nacional prevalece na União Europeia

Milhares de refugiados estão chegando, mas falta conceito à UE e a seus membros, que estão em constante desacordo. Para Felix Steiner, bloco só vai despertar para esse desenvolvimento quando a economia for afetada.

O que hoje conhecemos como União Europeia (UE) teve, no passado, uma série de precursores com os mais diferentes nomes. Um deles foi a CEE. Essa sigla, no entanto, não se referia a uma "comunidade europeia ética", como alguns poderiam imaginar atualmente. Em vez disso, o E na sigla chamava a atenção para o que desde o início importava e importa até hoje: Economia. Interesses econômicos.

O ponto de partida da unificação europeia foi a vontade de manter o controle sobre a reconstrução da República Federal da Alemanha por parte de seus países vizinhos. Algo compreensível – passados menos de dez anos do fim do nazismo. Nessa época teve origem a forma de organização supranacional da UE: o que antes era responsabilidade dos Estados nacionais é transferido para uma autoridade que está acima dos países-membros – a atual Comissão Europeia.

Na época, os otimistas esperavam que o sucesso desse modelo fosse assegurar, automaticamente, que os diferentes Estados nacionais concedessem, cada vez mais, responsabilidades políticas para a Bruxelas. Mas ledo engano.

Porque o verdadeiro centro de poder da UE não é a Comissão, mas o Conselho Europeu – ele reúne os ministros das diversas áreas ou, no caso de assuntos de grande importância, os chefes de Estado e governo. Nessas rodadas, por vezes há disputas duras, por vezes, negociações banais.

Ali não se trata de "valores comuns" europeus, mas de vantagens nacionais que cada país quer tirar para si. É assim, e não de outra forma, que a UE vem funcionando há décadas. Todavia, com grande sucesso: há 70 anos a Europa Ocidental não vivencia mais nenhuma guerra – dando espaço a uma zona de incomparável prosperidade.

A Alemanha fez, naturalmente, uma série de concessões, pelas quais pagou, muitas vezes, mais que outros países. Mas, no final, isso também sempre foi apenas egoísmo nacional: como a forte economia exportadora alemã deve sua existência a uma Europa funcional, um fracasso europeu sairia bem mais caro.

Até o momento, cada um dos Estados-membros monitora, cuidadosamente, para que não sejam outorgados muitos poderes a Bruxelas. Uma política externa e de segurança comum da UE? Não há nada que faça jus a esse nome realmente. E é justamente por isso que a atual crise de refugiados não acontece nem por acaso nem por destino, mas é o resultado de uma política comum de fracasso.

É claro que a UE poderia ter evitado uma imensa parcela da atual movimentação de refugiados. Esse seria o caso, por exemplo, se o pedido de ajuda do Acnur (Alto Comissariado da ONU para Refugiados) para os campos de refugiados em Jordânia, Líbano e Turquia tivesse sido atendido a tempo.

Ali não existe nem educação escolar para as crianças e, atualmente, nem mesmo alimentação suficiente. Quem pode então se surpreender com o fato de há semanas milhares de refugiados estarem a caminho? Mas isso teria tido um custo. E o que acontece agora está custando muitas vezes mais do que isso!

E como se não se tivesse compreendido o que está acontecendo agora, cada um prossegue em sua causa nacional: Grécia e Itália continuam apenas a acenar, a Hungria constrói cercas, o Leste Europeu ignora e, sem consultar ninguém, Angela Merkel convida todos os sírios para a Alemanha, mas mesmo assim quer dividir os custos e, já uma semana depois, é obrigada a capitular parcialmente. Os gastos extrapolam qualquer volume.

Enquanto isso, em Bruxelas, os ministros não conseguem sequer chegar a acordo sobre a distribuição de 160 mil pessoas. Um número muito maior do que esse já chegou aqui, há muito tempo, e outros estão por vir – sem que ninguém tenha o controle sobre quem eles são, de onde eles vêm e para onde eles vão. A política como um poder de formação e transformação é o que falta na Europa de hoje.

Onde isso vai parar? Ninguém sabe, pois ninguém tem um plano ou um conceito. A Convenção de Dublin já morreu há muito tempo. O Acordo de Schengen será o próximo. Afinal, com as fronteiras abertas, quem vai querer manter refugiados em países em que eles não querem permanecer? Um valor fundamental da Europa vai ser assim perdido?

Embora a livre-circulação de pessoas seja algo agradável, uma vida boa também já era possível anteriormente. Por meio dos novos controles de fronteiras, principalmente o transporte de cargas vai encarecer de forma dramática. Se um indicador econômico estiver em perigo – então talvez alguma coisa venha a ser feita.

Leia mais