1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Opinião: Divulgação de relatório sobre tortura pela CIA é vital para EUA

Seria um equívoco reter o relatório sobre programa de tortura da CIA na era Bush por temor de consequências no exterior. Divulgá-lo é crucial para a credibilidade dos EUA, opina Michael Knigge, da redação inglesa da DW.

Deutsche Welle Michael Knigge

Michael Knigge, da redação inglesa da DW

A tentativa de desvendar o programa de tortura da CIA durante o mandato do presidente Gorge W. Bush começou há dois anos como um esforço suprapartidário. Entretanto, com o passar do tempo, a iniciativa se transformou numa virulenta confrontação entre republicanos e democratas – como costuma acontecer nos Estados Unidos. O resultado é que nenhum dos envolvidos sairá ileso, agora que o Senado dos EUA finalmente divulga um resumo do relatório.

Em vez de apresentar aos americanos e ao mundo um governo unido no estudo dos fatos, que analisa e assume os erros de uma de suas instituições vitais, cometidos na sequência dos atentados do 11 de Setembro, Washington continua se entregando às usuais birras partidárias, mesmo numa questão crucial como esta.

Assim, os republicanos não só se opõem veementemente à divulgação do resumo, como vão lançar uma ofensiva de mídia própria para contradizer as conclusões apresentadas. A CIA também vai publicar sua própria versão do relatório. Isso forçará tanto Dianne Feinstein, chefe da comissão do Senado para assuntos do serviço secreto, quanto a Casa Branca a defenderem a publicação do relatório contra o ataque dos críticos.

Isso é lamentável, porque desvia do foco real da discussão: a questão não é se o relatório deve ou não ser divulgado, mas sim o que seus resultados dizem sobre o programa de tortura da CIA, e quais lições se poderia tirar deles, hoje.

O principal argumento de muitos críticos para engavetar ou procrastinar a divulgação é que o relatório poderia trazer consequências negativas – especificamente, para os americanos no exterior e, em geral, para a política externa dos EUA.

Mas esse argumento não se sustenta. Não é a publicação do relatório em si que poderia acarretar tais consequências negativas, mas sim os atos e práticas de tortura detalhados nele. E é igualmente importante salientar que, ao contrário do que alegam os críticos, o relatório não vai prejudicar, mas poderia até reabilitar a política externa americana.

Como podem os Estados Unidos, a superpotência global que é historicamente vista e que se vê como um farol da liberdade, criticar outros países em questões de direitos humanos, quando eles mesmos não assumem seus próprios abusos?

O país não pode. Para recuperar a credibilidade internacional, perdida devido aos tenebrosos abusos da CIA e de outros durante a era Bush, é crucial que Washington reconheça e aceite a responsabilidade por essas ações.

Contudo, ater-se aos aspectos internacionais seria subestimar o que está em jogo, que é muito mais importante. Num país democrático, baseado na constitucionalidade, simplesmente não pode haver espaço para tortura. Ao divulgar o relatório do Senado, os EUA estão dando um passo importante para reafirmar um fato que, para começar, nem deveria ser preciso reafirmar.

Leia mais