1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Opinião: Índia e Paquistão têm mais em comum do que divergências

Nos dias 14 e 15 de agosto de 1947, a Índia e o Paquistão tornaram-se independentes. Hoje, ambos têm mais pontos em comum do que divergências, opina Thomas Bärthlein.

default

A Índia e o Paquistão tanto promovem a imagem de que são antagônicos, que neste sexagenário da independência não parece difícil a quem os observa de fora ressaltar estas diferenças. A imagem dos dois países na imprensa internacional não poderia ser mais divergente: enquanto a Índia durante décadas foi praticamente sinônimo de miséria e desde algum tempo é vista como modelo para países emergentes, ao Paquistão parece ter sido reservado um outro papel: a nação é considerada o berço do islamismo militante.

Thomas Bärthlein

Thomas Bärthlein

Na realidade, apesar de todas as diferenças, o Paquistão e a Índia têm muito em comum. Ambos passam, por exemplo, por um considerável crescimento econômico, mas também por um fortalecimento da sociedade civil e das instituições democráticas.

O Paquistão segue assim alguns processos iniciados pela Índia há alguns anos, como por exemplo o rápido desenvolvimento da mídia privada, principalmente da televisão, que apesar da comercialização deu um impulso à democratização. Cite-se também, como foi observado nos últimos meses, uma Justiça claramente mais segura de si – semelhante ao caso da Índia – que pretende compensar ativamente os déficits democráticos de outras instituições.

Pode ser que a Índia tenha uma democracia mais estável, mas graças a instituições estabelecidas, como uma comissão eleitoral forte e independente. Mas apenas na semana passada ficou comprovado que no Paquistão não é mais tão simples assim decretar estado de emergência: depois de intensos protestos, o presidente Musharraf foi obrigado a engavetar seus planos. São muito grandes as chances de eleições realmente livres no país, neste segundo semestre.

Também os problemas e desafios de ambos são semelhantes. Acima de tudo, naturalmente, a questão social, que mesmo 60 anos após a independência está longe de ser resolvida. O boom econômico faz com que a miséria das massas se revele numa luz ainda mais crua. Em alguns setores, como a alfabetização feminina e a reforma agrária, pode ser que a Índia esteja alguns passos à frente. Mas continua sendo uma vergonha que, apesar do crescimento econômico, a maioria da população viva quase nos limites da pobreza.

Nos últimos anos, a Índia e o Paquistão também tiveram bastante experiência com a intolerância religiosa e a mistura populista de religião e política. Enquanto na Índia o partido hinduísta liderou o governo, em Gujirat houve pogroms contra a minoria muçulmana, que foram pelo menos tolerados pelas autoridades.

No Paquistão, populistas mobilizaram as massas contra o mundo ocidental e militares e serviço secreto mantiveram estreitas ligações com militantes islâmicos. Por sorte, em ambas as nações a maioria da população e do establishment parecem estar cansados deste tipo de política – ao menos no momento.

O Paquistão e a Índia, e isto já foi reconhecido pela maioria, são unidos por um destino comum: nenhum dos dois poderá realmente progredir sem ser acompanhado pelo outro, pois os dois vizinhos – em poder de armas nucleares – estão muito envolvidos acima de tudo por causa do conflito na Cachemira.

Os últimos anos foram de cuidadosa normalização. Mesmo assim, continua-se desperdiçando bastante energia na corrida armamentista. Ainda não se pode falar de uma cooperação verdadeira e construtiva.

Neste ano ainda não foi possível uma festa de independência conjunta. Iniciativas civis, que pretendiam celebrar conjuntamente na fronteira, sofreram fortes obstáculos burocráticos. Quem sabe, vai dar certo no 70º jubileu. (rw)

Thomas Bärthlein é chefe dos programas da DW-RADIO para o sul da Ásia.

Leia mais