Operadoras estrangeiras arrematam aeroportos no Brasil | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 06.02.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Operadoras estrangeiras arrematam aeroportos no Brasil

Valor arrecadado no leilão de três dos maiores terminais aéreos no Brasil ultrapassou em mais de 300% o previsto. Companhias sul-africana, francesa e argentina assumirão operações em Guarulhos, Campinas e Brasília.

default

Aeroporto Internacional de Guarulhos, o maior do país

A experiência internacional da sul-africana ACSA, Airport Company South Africa, deve contribuir para a melhoria nas operações do maior aeroporto brasileiro, o terminal de Guarulhos. Pelo menos essa é a expectativa do consórcio Invepar, do qual a operadora faz parte, que arrematou o aeroporto por 16,2 bilhões de reais nesta segunda-feira (06/02) em leilão realizado em São Paulo.

A ACSA administra atualmente nove terminais, entre eles o Aeroporto Internacional da Cidade do Cabo, uma das sede da Copa de 2010. O consórcio investiu 350% a mais que o valor mínimo estipulado no edital da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que havia fixado como lance mínimo a quantia de 3,4 bihões de reais.

Também o Aeroporto de Brasília sairá do domínio estatal e passará para mãos privadas. A concessão foi vencida pelo consórcio Inframerica, que conta com a operadora argentina Corporacion America. A empresa tem participações em 49 aeroportos latino-americanos e europeus. O grupo pagou 4,5 bilhões de reais – quase oito vezes mais do que o mínimo exigido, que era de 582 milhões.

O terminal de Campinas será administrado pela francesa Egis, integrante do consórcio vencedor Aeroportos Brasil. O terminal foi arrematado por 3,8 bilhões de reais, o mínimo era de 1,5 bilhão. A francesa detém a concessão de 11 aeroportos internacionals, totalizando 13 milhões de passageiros e 200 mil toneladas de carga.

O martelo foi batido uma hora e meia depois do início do leilão. No total, foram 22 propostas apresentadas, entre elas um consórcio que incluía a alemã Fraport. A operadora havia confirmado à DW Brasil em dezembro último que participaria da disputa, no entanto, a empresa não teve fôlego para bater os concorrentes.

Risco e prazo

Os três terminais privatizados respondem pela movimentação de 30% dos passageiros, 57% da carga e 19% das aeronaves do sistema brasileiro, segundo dados da Anac. O plano de concessão inclui a ampliação, manutenção e exploração dos aeroportos por prazos determinados – 30 anos para Campinas, 25 anos para Brasília e 20 anos para Guarulhos.

Entre as justificativas dadas pelo governo para passar os aeroportos para mãos privadas está a urgência de melhorias na infraestrutura proporcionalmente ao crescimento da demanda. E ainda: acelerar a execução das obras necessárias para atender turistas que querem prestigiar os grandes eventos marcados para acontecer no Brasil, como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos.

A Anac estipula que, até o final da concessão, sejam feitos investimentos bilionários nos três terminais, além do "estabelecimento de padrões internacionais de qualidade de serviço". A agência promete ser dura na supervisão dos prazos das obras e prevê a aplicação de multa de 150 milhões por descumprimento, e mais 1,5 milhão por dia de atraso.

Corrida contra o relógio

O alarme de alerta já soou no Brasil há pelo menos dois anos: os aeroportos não teriam capacidade para receber turistas que circularão pelo país durante a Copa e as Olimpíadas. Diversos estudos, entre eles um assinado pelo Instituto de Pesquisa Aplicada (Ipea), órgão ligado à Presidência da República, previam que os terminais não ficariam prontos a tempo.

Em meio ao caos anunciado, o governo brasileiro decidiu, há sete meses, incluir os aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília no Programa Nacional de Desestatização (PND). A ação começou em agosto de 2011, com o leilão do terminal de São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte.

Até então, a administração dos aeroportos nacionais era de controle absoluto da Infraero. No caso dos terminais leiloados, a estatal terá 49% de participação, o setor privado 51%. Os mais de 24 bilhões de reais arrecadados no leilão, cinco vezes mais que o valor previsto pelo governo federal, irão para o Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC) e deverão ser aplicados em projetos de desenvolvimento e fomento da infraestrutura aeroportuária e aeronáutica civil.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais