Onze países assinam acordo transpacífico sem EUA | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 08.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Onze países assinam acordo transpacífico sem EUA

Ministros assinam nova versão do TPP, pacto de livre-comércio do qual Trump retirou os Estados Unidos após chegar à Casa Branca. Novo tratado é classificado de mensagem política contra o protecionismo.

Assinatura do CPTPP no Chile

Assinatura de novo acordo ocorreu no Chile

Ministros de 11 países assinaram nesta quinta-feira (08/03) uma nova versão da Parceria Transpacífico (TPP, na sigla em inglês), o acordo que criaria a maior área de livre-comércio do mundo, mas que foi rejeitado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O Acordo Abrangente e Progressivo para a Parceria Transpacífico (CPTPP) foi assinado numa cerimônia na capital chilena, Santiago, por Canadá, Chile, Austrália, Brunei, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Cingapura e Vietnã, que representam juntos 13,5% da economia global.

"Esta é uma mensagem política que a região da Ásia-Pacífico envia ao mundo”, afirmou o ministro do Exterior chileno, Heraldo Muñoz, ao lado da presidente Michelle Bachelet.

Muñoz ressaltou que o acordo é um forte sinal contra pressões protecionistas e a favor de mundo aberto ao livre comércio, sem sanções unilaterais e ameaças de guerras comerciais.

A assinatura da nova versão da parceria ocorreu após tremores de que o acordo estaria acabado com a saída dos Estados Unidos. Alcançado durante o governo do ex-presidente Barack Obama e marco da sua política de aproximação com a Ásia, o tratado envolvendo 12 países cobriria um terço do comércio mundial. No entanto, logo após assumir a presidência, em janeiro de 2017, Trump retirou o país do TPP.

Os 11 países restantes se mantiveram unidos e renegociaram o pacto, afirmando ser contra o protecionismo. No novo acordo, os integrantes eliminaram as principais barreiras impostas pelos EUA, como a questão de propriedade intelectual.

O acordo visa reduzir as tarifas entre os integrantes e fomentar o comércio para impulsionar o crescimento. Os 11 países do CPTPP formam um mercado de 500 milhões de pessoas, maior do que a União Europeia (UE).

O sucesso do CPTPP destaca o isolamento de Trump em sua retórica protecionista e ocorre poucos dias após o presidente americano a anunciar a taxação nas importações de aço e alumínio.

Para entrar em vigor, o CPTPP precisa ser ratificado por seis dos 11 países. Ele passa a valer 60 dias depois da ratificação.

CN/rtr/afp

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais