1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

ONU: Meio ambiente em situação alarmante

Em relatório apresentado em Genebra, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente alerta para os riscos que a população corre no Iraque em conseqüência do impacto das guerras e das sanções sobre o meio ambiente.

default

Restabelecer o fornecimento de água é tarefa prioritária

A degradação e a poluição do meio ambiente no Iraque são consideradas alarmantes pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), que apresentou nesta quinta-feira (24), em Genebra, um estudo em que avalia o impacto ambiental de duas guerras e das sanções econômicas e suas conseqüências para a saúde da população.

"A proteção do meio ambiente também é uma tarefa humanitária", acentuou Klaus Töpfer, o diretor alemão do órgão da ONU com sede em Nairóbi, capital do Quênia. A fim de realizar um levantamento em loco e estabelecer um catálogo das medidas necessárias, o Pnuma pretende enviar em breve uma equipe ao Iraque.

De "a" de água a "u" de urânio — O órgão da ONU atribui a maior prioridade ao restabelecimento dos sistemas de abastecimento de água e tratamento de esgotos, bem como à eliminação de resíduos perigosos, tais como o lixo hospitalar.

De grande importância é também o esclarecimento da população sobre como lidar com os destroços de armamentos de guerra espalhados pelo país e que estão, em parte, contaminados com urânio empobrecido. O comando geral das Forças Armadas americanas confirmou a utilização de munição de urânio nesta guerra, mas não há informações sobre a sua quantidade, relatou Töpfer. Na Guerra do Golfo em 1991, foram 290 toneladas.

Klaus Töpfer bei der UNEP (Umweltschutzprogramm der UN) in Genf, Schweiz

Klaus Töpfer, ex-ministro alemão do Meio Ambiente e diretor do Pnuma

Convenção internacional — Em entrevista recente a uma emissora de rádio da Alemanha, Klaus Töpfer defendeu a elaboração de um acordo internacional de proteção ao meio ambiente, semelhante à Convenção de Genebra sobre os direitos humanos. Tal acordo deveria, em sua opinião, proibir e condenar os crimes contra o meio ambiente cometidos durante conflitos armados.

Não se deveria poder utilizar o meio ambiente como arma em circunstância nenhuma, defendeu Töpfer, citando como exemplos os fogos ateados a poços de petróleo ou a contaminação premeditada da água e de lençóis freáticos.

Töpfer, que foi o primeiro ministro do Meio Ambiente alemão, defende a elaboração de um tratado desta espécie mesmo considerando que não são grandes as perspectivas de adesão a ele por parte, por exemplo, dos Estados Unidos. Contudo, a experiência com outras convenções internacionais, tais como o Protocolo de Kyoto, não pode servir de desculpa para não se agir em situações em que há riscos graves ou de longo prazo para a população, argumenta.

Leia mais