1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

ONU lança campanha para eliminar status de apátrida até 2024

Segundo chefe da Acnur, Antônio Guterres, a apatridia é uma anomalia inaceitável no século 21. Afetando 10 milhões de pessoas no planeta, suas causas vão da discriminação às guerras e dissolução de Estados.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) lançou nesta terça-feira (04/11), em Genebra, uma campanha global sob o slogan "I belong" (Eu pertenço). Ela visa, no prazo de dez anos, a acabar com o status de "apátrida", isto é, sem nacionalidade, a que estão relegadas cerca de 10 milhões de pessoas em todo o mundo.

O alto comissário da ONU para refugiados, Antônio Manuel de Oliveira Guterres, definiu a apatridia como uma questão de direitos humanos "esquecida", "absolutamente inaceitável" e "uma anomalia no século 21". "Estamos falando de comunidades que estão ocultas, que são discriminadas nesses países, que não aparecem na mídia global, exceto quando a situação é muito dramática."

"Para quem escuta, é um testemunho de desespero. Eu encontrei gente que me contou: 'Nós vivemos como animais selvagens, ninguém nos reconhece, não temos existência nem identidade legal, e os nossos filhos vão estar na mesma situação'", relatou o político português. "A apatridia faz as pessoas sentirem que sua existência é um crime", concluiu.

Segundo Guterres, a meta de eliminar a condição de apátrida até 2024 é factível, apesar dos atuais caos e conflitos em diversas regiões, que deixam milhões sem documentação e condenadas a um devastador limbo legal.

Exclusão "do berço à sepultura"

A Acnur acompanhou o início da campanha com a divulgação de um relatório. Ele lembra que a apatridia pode ter origem na discriminação por etnia, religião ou gênero, ou quando uma nação se desintegra – como no caso da União Soviética, mais de 20 anos atrás.

Guerras e outros conflitos também dificultam o registro de nascimentos. Este é o caso da guerra civil na Síria: dos filhos de refugiados sírios nascidos nos vizinhos Líbano e Jordânia, 70% não receberam certidões de nascimento legais.

Ressaltando a gravidade da situação em Mianmar, República Dominicana, Costa do Marfim, Tailândia e Letônia, Guterres explicou que os apátridas "são geralmente excluídos do berço até a sepultura".

No lançamento da campanha em Genebra, essa afirmação foi reforçada por uma carta aberta, denunciando que aos apátridas é negado "o acesso à educação, cuidados de saúde, matrimônio e oportunidades de emprego" e, quando morrem, "até mesmo a dignidade de um funeral oficial e de um atestado de óbito".

Entre os signatários do documento estão a atriz e enviada especial da Acnur Angelina Jolie e o alto comissário da ONU para os direitos humanos Zeid Ra'ad Al Hussein, assim como os prêmios Nobel da Paz Shirin Ebadi e Desmond Tutu.

Esperança de solução

O relatório não inclui o caso dos palestinos, já que a Assembleia Geral da ONU reconheceu a existência do Estado da Palestina em novembro de 2012, explicou Guterres.

Para que se resolva o status dos 4,5 milhões de palestinos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, esse Estado ainda precisa aprovar suas leis de nacionalidade. Portanto, nas palavras do chefe da Acnur, trata-se de uma "situação muito específica", exigindo uma "solução política".

Com base na "boa notícia" de que 4 milhões de apátridas receberam nacionalidade nos últimos anos, Guterres disse acreditar que o problema pode ser resolvido, contanto que se acelere a implementação de políticas públicas.

Entre outras iniciativas, a Acnur está solicitando a nações como Irã e Catar, que não reconhecem a transferência de nacionalidade de mãe para filho, que revejam suas leis, a fim de evitar que mais crianças cresçam na condição de apátridas.

AV/ap/afp/acnur

Leia mais