1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

ONU denuncia desigualdade mundial

Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (UNDP) acusa hegemonia dos países ricos nas maiores instituições econômicas mundiais e exige o fim do direito de veto no Conselho de Segurança da ONU.

default

Angolanos à espera de comida em um hospital em Kuito

Instituições como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BIRD), dominadas por alguns poucos países ricos, perderam sua função junto aos países mais pobres, aponta o relatório das Nações Unidas sobre desenvolvimento humano, divulgado nesta quarta-feira (24).

O documento alerta para o fato de que apenas sete países detêm a metade dos votos no Banco Mundial e do FMI : Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Arábia Saudita, Alemanha e Rússia. As decisões da Organização de Mundial Comércio (OMC), por sua vez, são determinadas sobretudo pelos EUA, pela União Européia, pelo Canadá e o Japão. A fim de romper este desequilíbrio, o relatório propõe a suspensão do direito de veto no Conselho Mundial de Segurança da ONU e uma reforma do processo de escolha da direção do FMI e do BIRD.

Legitimidade da antiglobalização – Com base nas conclusões do relatório, o Programa de Desenvolvimento da ONU alertou para a necessidade de os países pobres serem consultados sobre questões que afetam diretamente sua população. Seja no caso de restrições comerciais que prejudicam a agricultura dos países em desenvolvimento ou da reação tardia à propagação da AIDS na África, "as potências econômicas mundiais e suas instituições são acusadas de atuar de forma injusta", explicita o relatório. A antiglobalização é qualificada como um dos principais movimentos da atualidade e como reação legítima ao crescente abismo entre pobres e ricos.

Democracia como meta - Os obstáculos à democratização impediram o crescimento econômico e social em diversos países, conclui o relatório da ONU. Apenas 82 de mais de 190 países podem ser considerados realmente democráticos. O diretor do UNDP, Mark Malloch Brown, alertou que a democracia não é apenas o caminho, mas a própria meta do desenvolvimento humano. Do ponto de vista meramente político, 81 países vêm tomando medidas democráticas decisivas desde 1980. 33 substituíram o regime militar por governos civis e 140 entre quase 200 países têm regimes pluripartidários.

Alemanha em 17º - Na avaliação do índice de desenvolvimento humano, a Noruega continua sendo o país que oferece as melhores condições de vida à população. A Alemanha também continua em 17º lugar na lista dos países com o melhor padrão de vida, imediatamente depois de Luxemburgo, Áustria e Dinamarca e antes da Itália, Espanha e Israel. Na Alemanha, a expectativa média de vida é de 77,7 anos (81 anos no Japão), a renda per capita chega a 25103 dólares (três vezes menor que a dos EUA), o fator de educação foi avaliado em 97 (99 para a Bélgica, 98 para os EUA).