1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

ONU defende dignidade de imigrantes

Às vésperas da conferência de cúpula da UE em Sevilha, que discutirá uma série de medidas para controle de imigração ilegal, Robinson exigiu que a Europa priorize os direitos humanos.

default

Refugiada curda na Itália, transportada pela polícia para acampamento de imigrantes ilegais

A comissária das Nações Unidas para Direitos Humanos, Mary Robinson, fez um apelo – nesta quarta-feira (19), em Copenhague – para que os governantes europeus não acompanhem a onda de populismo contra imigrantes e requerentes de asilo político. Robinson se mostrou preocupada com a crescente animosidade contra os imigrantes, sobretudo numa época em que o número de pedidos de asilo à União Européia vem diminuindo.

A pauta de Sevilha – A proposta dos ministros europeus do Interior a ser debatida na conferência de cúpula prevê uma cooperação mais intensa no controle de fronteiras. A médio prazo, a UE deverá recrutar uma tropa multinacional para vigilância das fronteiras externas e uma guarda naval para localizar navios com imigrantes ilegais a bordo. Ao lado destes pontos praticamente consensuais, a imposição de sanções econômicas contra países que permitirem o transporte de ilegais para a UE ainda não é uma decisão unânime.

Argumento para populistas – Para o chanceler espanhol, Josep Pique, presidente do Conselho Europeu, a UE não pode deixar este assunto na mão dos extremistas de direita. Embora a prioridade da presidência espanhola da UE tenha sido inicialmente o combate ao terrorismo, sua atenção acabou se deslocando para a questão da imigração, sobretudo diante da rápida ascenção da extrema-direita na Europa, comprovada nos resultados eleitorais da Dinamarca, Portugal, Holanda e França. Seja pelo populista holandês Pim Fortuyn, assassinado às vésperas das eleições, ou pelo extremista de direita francês Jean-Marie Le Pen, o fomento do temor à imigração tornou-se uma estratégia eleitoral promissora na Europa.

Schröder culpa UE – A menos de 100 dias das eleições parlamentares, a oposição conservadora alemã anunciou que a imigração será um de seus principais temas eleitorais. "A coalizão social-democrata e verde pode lamentar o quanto quiser, pois não relegaremos este assunto para os populistas de direita", declarou a presidente da União Democrata Cristã (CDU), Angela Merkel, por ocasião da convenção de seu partido, encerrada na terça-feira. Diante da crescente perda de eleitorado pelos partidos europeus de centro-esquerda, o chanceler federal alemão, Gerhard Schröder, atribuiu a culpa indiretamente à UE, afirmando que Bruxelas não estaria se dedicando às preocupações reais da população européia.

Leia mais