ONU aprova painel para investigar atrocidades na Síria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 22.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

ONU aprova painel para investigar atrocidades na Síria

Assembleia Geral das Nações Unidas cria comissão independente para apoiar investigações sobre atrocidades cometidas durante a guerra civil no país árabe. Rússia, Venezuela, Irã e Cuba votaram contra.

Comissão visa dar apoio às investigações sobre os crimes mais graves ocorridos durante a guerra civil na Síria

Comissão visa dar apoio às investigações sobre os crimes mais graves ocorridos durante a guerra civil na Síria

A Assembleia Geral das Nações Unidas quarta-feira (21/12) aprovou a criação de uma comissão que irá atuar como um "mecanismo internacional, imparcial e independente" para dar apoio às investigações sobre os crimes mais graves ocorridos durante a guerra civil na Síria.

O novo organismo deverá cooperar com uma comissão de inquérito sobre a Síria criada pela ONU em 2011 para, segundo o texto da resolução, "reunir, consolidar, preservar e analisar as provas de violações das leis internacionais humanitárias, violações e abusos dos direitos humanos".

A comissão já submeteu diversos relatórios denunciando atrocidades cometidas durante guerra, que já deixou mais de 310 mil mortos.

O texto, que teve 105 votos a favor, 15 contra e 52 abstenções, ressalta a "necessidade de garantir a prestação de contas" sobre os crimes cometidos na Síria, encaminhando processos em nível nacional e internacional. A Secretaria Geral da ONU recebeu prazo de 20 dias para elaborar os detalhes do novo mecanismo.

A iniciativa, apresentada por Liechtenstein, teve o apoio de 58 países, entre estes, os Estados Unidos, França, Itália e Alemanha, além de poderes regionais como a Turquia, Arábia Saudita e Catar.

A Rússia e outros países como a Venezuela, Irã, Cuba e África do Sul votaram contra a resolução, afirmando se tratar de uma interferência nos assuntos internos do país árabe. O Brasil se absteve da votação. A posição do governo brasileiro é que a resolução não vai permitir que as partes envolvidas no conflito negociem uma saída positiva para a crise.

O governo sírio insistiu, sem sucesso, que a votação não deveria ocorrer, afirmando que a Assembleia Geral não tem poder para arbitrar essa questão.

Organizações de direitos humanos, como a Human Rights Watch, pressionaram os Estados-membros para que a nova comissão fosse aprovada.

RC/lusa/afp

Leia mais