1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

ONU alerta para recorde de refugiados na Europa

No primeiro semestre de 2015, número de migrantes que chegaram ao continente pelo Mediterrâneo aumentou 83% em relação ao ano anterior, aponta Acnur. De janeiro a junho, mais de 1,8 mil pessoas morreram na travessia.

Um número recorde de 137 mil pessoas realizou a perigosa travessia do Mar Mediterrâneo rumo à Europa no primeiro semestre de 2015, disse a agência da ONU para refugiados (Acnur) nesta quarta-feira (01/07).

Dados da Grécia, da Itália, de Malta e da Espanha contabilizaram a chegada de 137 mil refugiados de janeiro a junho deste ano – um aumento de 83% em relação aos 75 mil que chegaram nos seis primeiros meses de 2014.

"A Europa está passando por uma crise de refugiados de proporções históricas", alertou a Acnur em relatório.

Os Estados-membros da União Europeia (UE) ainda não chegaram a um consenso sobre como lidar com as levas de migrantes. A Acnur saudou a decisão de Bruxelas de distribuir cerca de 40 mil refugiados da Síria e da Eritreia que já chegaram ao continente entre os membros da UE, mas pediu maior solidariedade aos países mais afetados pelo fluxo migratório.

O alto comissário da ONU para refugiados, António Guterres, afirmou que a maior parte dos que atravessam o Mediterrâneo não migra por razões econômicas. "A maioria dos que chegam à Europa são refugiados que buscam escapar de guerras e de perseguição", disse.

Um terço dos que chegaram por mar à Itália ou à Grécia neste ano veio da Síria, assolada pela guerra civil. Os que fogem da violência no Afeganistão corresponderam a 11% das chegadas, e os que tentam escapar do regime repressivo na Eritreia, a 12%. Outros dos principais países de origem dos refugiados são Somália, Nigéria, Iraque e Sudão.

O número de mortes nas travessias do Mediterrâneo também aumentou significativamente. Até o momento, 1.867 pessoas morreram – 1.308 apenas do mês de abril. No mesmo período do ano passado, foram contabilizadas 588 mortes.

O número de mortos sem precedentes levou os países europeus a aumentar as operações de busca e resgate no Mediterrâneo, reduzindo o número de fatalidades para 68 em maio e 12 em junho.

"Com as políticas adequadas, apoiadas por uma resposta operacional eficiente, é possível salvar mais vidas no mar", ressaltou Guterres. Ainda assim, "para os milhares de refugiados que continuam a atravessar o Mediterrâneo todas as semanas, o risco permanece sendo bastante real", acrescentou.

RC/ap/afp

Leia mais