1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

ONU alerta para aumento do tráfico infantil

Um terço das vítimas de tráfico humano no mundo são crianças, afirma Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC). Falta de aplicação das leis e aumento de 5% em relação ao período anterior preocupam.

De cada três vítimas de tráfico humano em todo o mundo, uma é criança, afirmou nesta segunda-feira (24/11) o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC), em Viena. Tais números indicam um aumento de 5% em comparação ao período anterior, de 2007 a 2010.

A situação é particularmente grave na África e no Oriente Médio, onde mais de 60% das vítimas são crianças, afirma o Relatório Global 2014 sobre Tráfico de Pessoas.

Entretanto, esse crime é um fenômeno global. A agência da ONU coletou informações sobre vítimas de 152 países, transportadas ilegalmente para outros 124 países, onde foram obrigadas a trabalhar na prostituição ou a realizar trabalhos forçados, além de outras atividades. Há mais de 510 fluxos de tráfico mundo afora.

O relatório apontou ainda que 35% das vítimas de tráfico para trabalhos forçados são mulheres, enquanto a grande maioria dos traficantes – 72% – são homens e cidadãos dos países em que operam.

Apesar de a maioria dos países possuírem legislações contra o tráfico de pessoas, as leis são raramente aplicadas.

"Como resultado, o número de condenações em nível global se mantém extremamente baixo", apontou o diretor da UNODC, Yuri Fedotov. "O relatório mostra que não há lugar no mundo onde crianças, mulheres e homens estejam a salvo do tráfico de seres humanos."

Entre 2010 e 2012, cerca de 40% dos países analisados reportaram nenhum ou poucos casos de condenações por crime de tráfico de pessoas.

Fedotov alertou ainda que os números apresentados pelo relatório representam "apenas o que foi detectado" pelo estudo da UNODC. "É muito claro que a escala de escravidão moderna é muito pior", lamentou.

RC/dpa/unodc

Leia mais