ONGs cobram coerência do governo na ajuda ao desenvolvimento | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 23.11.2001
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

ONGs cobram coerência do governo na ajuda ao desenvolvimento

Apresentado em Berlim nono relatório conjunto da Ação Agrária Alemã e Terre des Hommes.

default

A despeito das críticas ao governo, a ministra Wieczorek-Zeul foi elogiada por sua atuação

As organizações de ajuda humanitária Ação Agrária Alemã e Terre des Hommes constataram, em seu nono relatório conjunto sobre a "Realidade da Ajuda ao Desenvolvimento", apresentado nesta quinta-feira, em Berlim, uma "enorme discrepância entre a retórica e a realidade" na política desenvolvimentista do governo.

Peter Mucke, diretor da Terre des Hommes, criticou que o empenho do Ministério de Cooperação Econômica e Desenvolvimento no sentido de conferir uma coerência à política desenvolvimentista colide com muita freqüência com os interesses dos ministérios da Agricultura, Finanças e Economia.

Ele elogiou expressamente a atuação da ministra Heidemarie Wieczorek-Zeul (Partido Social Democrático), ressaltando seu empenho em prol do perdão das dívidas dos países mais pobres e por uma estratégia de desenvolvimento sustentável.

Meta distante — As duas organizações censuraram o fato de a Alemanha ter reservado, no ano passado, apenas 0,27% de seu Produto Interno Bruto para a ajuda ao desenvolvimento, distanciando-se da média de 0,33% dos países europeus. Vinte anos atrás, a contribuição da Alemanha correspondia a 0,48% do PIB. Segundo a meta estabelecida na Eco 92, no Rio de Janeiro, os países industrializados deveriam dedicar 0,7% de seu PIB para essa finalidade, cota só alcançada pela Holanda e os países escandinavos.

O secretário-geral da Ação Agrária Alemã, Volker Hausmann, ressaltou que 60% dos miseráveis do mundo vivem em regiões rurais. Daí ser "especialmente lamentável que a ajuda destinada à agricultura, a principal fonte de renda da população rural, tenha sido reduzida em dois terços de dez anos para cá". Hausmann cobrou do governo alemão e de organizações internacionais um direcionamento claro da ajuda para as regiões rurais, a única forma de "controlar e reduzir consideravelmente a pobreza".

Links externos