1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

ONG busca réplicas do caso Petrobras em outros países

Transparência Internacional investiga se modelo de corrupção envolvendo empresas e poder político foi adotado também em sete outros países da América Latina.

A Transparência Internacional (TI) anunciou nesta quarta-feira (19/08) que investigará possíveis replicações do modelo de corrupção na Petrobras em sete outros países da América Latina: Argentina, Chile, Guatemala, Panamá, Peru, República Dominicana e Venezuela.

Em comunicado, a TI indicou que as investigações que acontecem no Brasil evidenciaram os vínculos que existem entre grandes empreiteiras e o poder político – o que indica a possibilidade de réplicas desse modelo em outros países da região.

A Justiça brasileira investiga cerca de 50 políticos e vários empresários suspeitos de superfaturar contratos entre construtoras e a estatal brasileira e desviar esses recursos para políticos e partidos.

O escândalo ajudou a derrubar a popularidade do governo da presidente Dilma Rousseff para seus níveis mais baixos e provocou protestos de grande dimensão em todo o país, como os convocados no domingo em mais de 200 cidades.

Diversos setores

A organização anticorrupção cita como exemplo a Venezuela, onde quatro empresas investigadas no Brasil receberam mais de 30 contratos governamentais nos últimos anos – o que, segundo as investigações da TI, cria a suspeita de "caixa dois" e possível ingerência política.

As unidades da Transparência Internacional na Argentina, Chile, Guatemala, Panamá, Peru, República Dominicana e Venezuela requisitaram informações a seus respectivos governos sobre contratos celebrados com essas empresas. Serão realizadas investigações extensas, que vão desde os setores de transporte até o de infraestrutura de serviços básicos.

A ONG internacional ressalta que o escândalo na Petrobras é um dos maiores já regitrados na região, causando grande impacto na sociedade brasileira tanto pelo montante financeiro envolvido quanto pelo descrédito imposto ao setor político.

O diretor regional para as Américas da organização, Alejandro Salas, lembra que os sete países mencionados ratificaram a Convenção da ONU contra a Corrupção. A Transparência Internacional foi criada na Alemanha e tem sede em Berlim.

MP/efe

Leia mais