1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

OMS recomenda antirretrovirais para todo portador de HIV

Organização Mundial da Saúde afirma que pacientes infectados com o vírus devem receber medicamentos logo após o diagnóstico. Isso significa que 37 milhões de pessoas no mundo deveriam estar em tratamento.

Qualquer pessoa diagnosticada com HIV deveria ser tratada com medicamentos antirretrovirais imediatamente, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quarta-feira (30/09). Orientações anteriores limitavam o tratamento a pacientes cujo número de células imunes houvesse caído para abaixo de um determinado nível.

"Os países precisarão assegurar que testes e tratamento para o HIV estejam prontamente disponíveis", disse a OMS. "Com base na nova recomendação, o número de pessoas elegíveis para o tratamento antirretroviral passa dos 28 milhões atuais para 37 milhões de pessoas portadoras do HIV no mundo."

Testes clínicos recentes confirmaram que o início do uso de medicamentos logo após o diagnóstico prolonga a vida dos portadores de HIV e diminui o risco de transmissão da doença, disse a OMS em comunicado.

A expansão do acesso ao tratamento é um aspecto fundamental de um conjunto de metas internacionais com objetivo de acabar com a epidemia da aids até 2030. Entre os objetivos estão os de que 90% das pessoas portadoras do HIV tenham conhecimento da infecção e de que 90% dessas recebam tratamento antirretroviral.

De acordo com a OMS, todas as pessoas em risco significativo de contrair o vírus do HIV devem receber antirretrovirais preventivamente – e não apenas homens que praticam certos tipos de sexo com outros homens, como Havaí recomendado em 2014.

No ano passado, apenas cerca de 15 milhões dos mais de 37 milhões de portadores do HIV no mundo receberam tratamento. A aids já matou cerca de 40 milhões de pessoas em três décadas. Mesmo que a taxa de infecção tenha caído em nível mundial, alguns países registraram recentemente um aumento dos casos, como a China e o

Brasil

.

LPF/rtr/ap

Leia mais