OMS prevê alastramento do zika nas Américas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.01.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

OMS prevê alastramento do zika nas Américas

Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que o vírus associado a casos de microcefalia deve se espalhar por quase todos os países do continente. Brasil é mais afetado pelo surto.

default

Funcionário do serviço de saúde de El Salvador aplica inseticida contra mosquito transmissor do vírus

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta segunda-feira (25/01) que o vírus zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti e associado a casos de microcefalia em bebês no Brasil, deve se espalhar por todos os países das Américas, exceto Canadá e Chile.

A OMS aconselha que mulheres com planos de viajar para áreas onde o zika está em circulação consultem um médico antes de viajar e antes do retorno. O zika pode ser transmitido através do sangue e também já foi encontrado no sêmen humano, mas ainda não há evidências conclusivas de que ele pode ser transmitido sexualmente, segundo a OMS.

A diretora-geral da entidade, Margareth Chan, disse estar "muito preocupada" com a disseminação do vírus zika. A entidade registrou a presença dele em diversos países, com destaque para Brasil, Colômbia, El Salvador, Panamá e Cabo Verde.

O país mais afetado é o Brasil, onde foram identificados quase 3.900 casos de microcefalia. O Ministério da Saúde registrou 49 mortes de bebês devido à malformação congênita, e seis dessas tiveram a relação com o vírus zika confirmada.

Somente nas duas primeiras semanas do ano, foram registrados 728 novos casos suspeitos de microcefalia. As notificações foram feitas em 764 municípios de 21 estados. Pernambuco possui o maior número de registros, com 1.306 suspeitas, o que equivale a 33% do total.

EUA e Europa

As autoridades do estado de Nova York, nos EUA, afirmaram na última sexta-feira que três pessoas apresentaram resultado positivo para o vírus zika. Todos os infectados teriam viajado para países onde o vírus está se espalhando com rapidez.

Também na sexta-feira, as autoridades de saúde americanas estenderam, de 14 para 22 países, o alerta de viagem para mulheres grávidas, pedindo que estas evitem destinos na América Latina e Caribe devido ao zika.

Já a Inglaterra afirmou que três pessoas foram diagnosticadas com o vírus. De acordo com o Departamento de Saúde Pública, todos voltaram de viagens realizadas a Colômbia, Suriname e Guiana Francesa.

A Catalunha, uma região autônoma da Espanha, disse que duas mulheres de origem sul-americana foram diagnosticadas com o vírus no final de 2015, quando voltaram de viagem da América Latina.

MD/rtr/efe

Leia mais