1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

OMC busca novo diretor-geral com boas relações

Já existem quatro pretendentes ao cargo máximo da OMC, entre eles um brasileiro e um uruguaio. Mas as maiores chances são atribuídas, contudo, ao candidato da União Européia, o francês Pascal Lamy.

default

Supachai Panitchpakdi deixa o cargo no final de agosto


O mandato do atual chefe da OMC (Organização Mundial do Comércio), o tailandês Supachai Panitchpakdi, termina no final de agosto corrente e o cobiçado cargo terá novo titular a partir de 1º de setembro. Isso poderia ser eventualmente uma boa oportunidade para a América Latina, que nunca logrou eleger um representante próprio para dirigir o importante órgão internacional.

Luiz Felipe de Seixas Corre

Luiz Felipe de Seixas Corrêa é o candidato brasileiro ao cargo de diretor-geral da OMC

Mas as forças latino-americanas estão divididas entre dois candidatos: o brasileiro Luís Felipe de Seixas Corrêa e o uruguaio Carlos Perez del Castillo. Tal divisão enfraquece as chances latino-americanas, tanto mais que um dos candidatos, o francês Pascal Lamy, é tido como absoluto favorito para o cargo. O quarto candidato vem de Maurício – é o atual ministro das Relações Exteriores, Jayen Cuttarree.

Competência e negociação

Não é fácil tornar-se diretor-geral da OMC. Segundo Rolf Langhammer, do Instituto da Economia Mundial de Kiel, "Lamy é o mais qualificado entre os pretendentes; mas isso não é tudo; é uma questão de negociação, uma disputa entre as regiões".

Carlos Perez del Castillo

Carlos Perez del Castillo é o representante do Uruguai na disputa pelo cargo máximo da OMC

Assim sendo, poderia ser uma vantagem para os outros três candidatos o fato de que nem a América Latina, nem a África tenham logrado até agora eleger um diretor-geral da OMC. No entanto, um eventual princípio de rotação tampouco pode ser alegado em defesa de qualquer candidatura.

Quando é encontrado um candidato, ele tem de ser capaz de conquistar o apoio de todos os 148 países-membros da Organização Mundial do Comércio. "A eleição não é majoritária", esclarece Georg Koopmann, do Arquivo da Economia Mundial de Hamburgo, "é preciso encontrar um consenso".

Lamy tem grande apoio

WTO in Cancun gescheitert

Pascal Lamy é o candidato de maiores chances para a chefia da OMC

Levando isso em consideração, Pascal Lamy é o que tem maiores chances de eleger-se, na opinião de Georg Koopmann, que é um especialista em assuntos da OMC: "Ele tem o apoio da União Européia com seus 25 países-membros, além de excelente contato com os EUA, através de Robert Zoellick, que ainda é o secretário do Comércio em Washington". Além disso, Koopmann atesta ao candidato francês "excelentes contatos na África".

Contudo, uma agenda repleta de endereços de pessoas influentes não é tudo o que um diretor-geral da OMC necessita. "Ele tem de estar muito bem informado sobre questões comerciais – um requisito que todos os quatro candidatos preenchem", afirma Rolf Langhammer. E Georg Koopmann complementa: "Um diretor-geral da OMC tem de estar em condições de exercer o papel de um bom mediador, de equiparar os interesses e determinar diretrizes".

O poder de convencer

Mediar e negociar – estas são as principais atividades de um chefe da OMC. E elas são exercidas preferencialmente nos bastidores, sem grande alarde público. "Ele viaja pelo mundo e faz inúmeras conferências", afirma Langhammer.

Welthandelsorganisation WTO Kalenderblatt

Entrada da sede da OMC em Genebra

Em tais conferências, contudo, o diretor-geral da OMC pode apenas fazer apelos e pedidos: "Ele não tem o poder de impor diretrizes como tem, por exemplo, o chanceler federal alemão ou o presidente da Comissão Européia", esclarece Koopmann.

"Ele tem de convencer e, quando os grandes não querem ouvi-lo, ele se encontra num impasse", completa Langhammer.

Determinado e persistente

O socialista Pascal Lamy dispõe desse poder de persuasão, de acordo com a opinião geral entre os especialistas. Ele é tido como determinado e persistente. E, além disso, é muito conhecido em todo o mundo. "Um candidato desconhecido seria também um sinal de fraqueza para a OMC", afirma Langhammer.

Para Georg Koopmann, o candidato vitorioso já está claro: "Seria motivo de grande surpresa para mim, se Lamy não for o escolhido".

Leia mais

Links externos