Odebrecht pode arrastar consigo inúmeros políticos, afirma site alemão | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 02.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Odebrecht pode arrastar consigo inúmeros políticos, afirma site alemão

Gigante da construção "mais corrupta da América do Sul" está metida num enorme escândalo e pode arrastar consigo inúmeros políticos, afirma o Tagesschau, um dos principais sites de notícias da Alemanha.

Obra de Odebrecht em Luanda, capital de Angola

Obra de Odebrecht em Luanda, capital de Angola

O escândalo de corrupção envolvendo a construtora Odebrecht recebeu destaque nesta quinta-feira (02/02) no site de notícias do Tagesschau, principal telejornal da Alemanha. 

A matéria com o título "A gigante da construção mais corrupta da América do Sul" analisa a situação da empresa, que "está metida num enorme escândalo de corrupção e pode arrastar consigo inúmeros políticos."

A correspondente Anne Herrberg destaca a presença internacional da Odebrecht, que atua em toda a América do Sul e também na África – e agora está sendo acusada de corrupção em quase todos os países onde está presente. 

Segundo a matéria, "desde os anos 1980 a empresa escolheu conscientemente países com instituições fracas, suscetíveis à corrupção, para seus negócios."

No caso do Brasil, o escândalo investigado pela Operação Lava Jato "envolve empresas líderes, a semiestatal Petrobras e praticamente toda a classe política".

A matéria destaca as "estreitas relações" da Odebrecht com o PT e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e afirma que a empreiteira "financiou governos de esquerda amigos em toda a América do Sul".

Mas o sistema ia "além de Lula e de afinidades ideológicas", continua a matéria, acrescentando que a "delação do fim do mundo" de 77 executivos pode atingir também o governo do presidente Michel Temer, que "está sob pressão". 

"O futuro da empresa está em jogo, assim como o de muitos políticos no continente", ressalta o Tagesschau.

AS/ots

Leia mais