Ocidente teme ascensão da Irmandade Muçulmana no Egito | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ocidente teme ascensão da Irmandade Muçulmana no Egito

Observadores afirmam que temores de "islamização do Egito" são infundados, pois a Irmandade Muçulmana estaria aberta a princípios democráticos e disposta a dialogar com outros grupos oposicionistas.

default

Manifestantes da Irmandade Muçulmana no Cairo

Para o Ocidente, o presidente egípcio Hosni Mubarak sempre representou a garantia de que fundamentalistas se manteriam longe do poder. No entanto, diante da enorme pressão sobre Mubarak, o temor da "islamização" do Egito paira sobre os países ocidentais.

Para o especialista em assuntos islâmicos, Lutz Rogler, o medo é infundado. Rogler argumenta que o movimento Irmandade Muçulmana, que existe já há mais de 80 anos, passou por transformações. A Irmandade não é mais um grupo militar. "Pois dentro do movimento há diferentes gerações e correntes. Além disso, o movimento se abriu para princípios democráticos e cooperação com outras forças de oposição."

Valores democráticos

A Irmandade Muçulmana foi fundada em 1928 pelo professor de ensino fundamental Hassan Al Banna como um movimento de reforma. O objetivo era a construção de uma sociedade baseada em princípios islâmicos.

Somente depois da Segunda Guerra, a organização se desenvolveu como um movimento de massa no Egito. Mas após um atentado frustrado contra o presidente Gamal Abdel Nasser, a Irmandade se dissolveu em 1954 e muitos de seus membros foram executados.

Foi no fim da década de 1970 que o grupo voltou à cena política e formou-se, desde então, como uma forte força de oposição. Além do engajamento político, o movimento também construiu hospitais e instalações sociais, o que fortaleceu sua posição entre as camadas mais pobres da população.

Como partido, a Irmandade também continuou proibida durante o governo de Mubarak. Ainda assim, o movimento apoiou a candidatura de políticos independentes ao Parlamento egípcio, detendo assim, de fato, um quinto dos assentos desde 2005.

Não é uma revolução islâmica

Já há dias, a Irmandade Muçulmana participa dos protestos a favor da liberdade e democracia no Egito. No entanto, as manifestações não devem ser vistas como uma revolução islâmica, diz a versão oficial. Hilmi Jazzar, um dos líderes da organização, nega veementemente as alegações de que a Irmandade estaria esperando apenas o momento certo para tomar o poder.

Segundo Jazzar, a organização aguarda a chance, juntamente com todos os outros partidos, de ser eleita pela população. "Então, o mundo verá um exemplo de democracia da qual a Irmandade Muçulmana fará parte, sem dominá-la."

Influência

Apesar do esforço da Irmandade Muçulmana de se mostrar como um partido democrático moderado, o Ocidente teme que, após a saída de Mubarak, o país sofra com um vácuo de poder. A ausência de uma liderança política pode ser usada pelos islâmicos para chegar ao poder, acredita-se.

Uma preocupação não compartilhada por Lutz Rogler. "A influência da Irmandade Muçulmana nos protestos no Egito foi superestimada. Eu acredito também que o Ocidente tem uma preocupação exagerada ao temer uma possível participação islâmica num futuro governo." E caso haja, de fato, eleições livres, é incerta a quantidade de votos que a Irmandade Muçulmana conseguiria, adiciona o pesquisador.

Mudança liberal

Na visão de muitos observadores, a liderança da organização não está familiarizada com os desejos e exigências da maioria dos jovens manifestantes. Para o cientista político Hamed Abdel Samad, os conceitos e programas da Irmandade Muçulmana são pouco atraentes para a juventude egípcia.

O próprio Samad foi, na juventude, membro do movimento. O especialista acredita que a atual aproximação entre todos os partidos nas ruas do Cairo irá levar a uma mudança liberal dentro da Irmandade Muçulmana.

"A velha guarda pertence de fato à era Mubarak. Mas existe uma nova geração, que agora sai às ruas", argumenta Samad. A conscientização dessa nova ala da Irmandade Muçulmana acaba se fortalecendo e se renovando durante as demonstrações. "Em torno de si, eles veem agora mulheres bonitas sem véu e politicamente ativas. E aos poucos as pessoas estão se acostumando com isso."

Autores: Nader Alsarras / Stephanie Gebert (np)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais