OCDE diz que Alemanha precisa investir mais em educação | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 09.09.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

OCDE diz que Alemanha precisa investir mais em educação

Em 2006, Alemanha aplicou apenas 4,8% do Produto Interno Bruto em educação – menos que o Brasil (4,9%) e bem menos que a Islândia (8%) e os Estados Unidos (7,4%), os dois países-membros da OCDE que mais investiram.

default

Estudantes na Universidade Humboldt, em Berlim

O sistema educacional alemão ainda está aquém do de outros países industrializados, segundo um relatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgado nesta terça-feira (08/09) em Berlim.

Em 2006, a Alemanha investiu 4,8% do seu Produto Interno Bruto (PIB) em educação, menos que a média de 5,7% dos países da OCDE. O Brasil – que não faz parte da OCDE, mas foi incluído no relatório na condição de país-associado – investiu 4,9% do PIB.

Entre os países da OCDE, apenas a Irlanda, a Espanha, a Eslováquia e a Turquia aplicaram menos que a Alemanha em educação. O país ocupa a 23ª colocação entre os 28 membros da OCDE pesquisados.

Nos Estados Unidos, na Coreia do Sul e na Dinamarca, os investimentos em educação foram superiores a 7% do Produto Interno Bruto. Na Islândia, o país que mais investiu, chegaram a 8%.

"É hora de investir"

Principalmente no caso da Alemanha, a OCDE vê a crise econômica como oportunidade. "Caso a Alemanha queira sair fortalecida dessa crise, é chegada a hora de investir em educação e em qualificação", disse em Berlim a diretora alemã de Educação da OCDE, Barbara Ischinger.

A ministra alemã da Educação, Annette Schavan, reconheceu deficiências em alguns setores, mas também criticou o relatório. Ela disse que incentivos concedidos pelo governo alemão na forma de bolsas de estudo para estudantes, como o Bafög, não foram incluídos no cálculo dos gastos com educação feito pela OCDE.

Schavan lembrou que o governo alemão planeja elevar seus investimentos em educação para 7% e em pesquisa para 3% do PIB até 2015. Além disso, deverão ser criadas mais 350 mil vagas para estudantes.

Estudar protege contra o desemprego

Na Alemanha, apenas 36% das pessoas nascidas num mesmo ano se inscreveram em universidades e outras instituições de ensino superior no último semestre de 2008. A média da OCDE é bem mais elevada, tendo chegado a 56% em 2007.

No que diz respeito à conclusão do ensino superior, a situação é semelhante. Em 2007, 23% das pessoas nascidas num mesmo ano concluíram os estudos, ou seja, nove pontos percentuais a mais que em 1995. Ainda assim, o resultado fica abaixo da média de 39% da OCDE.

De acordo com a organização, ter nível superior é vantajoso para o trabalhador. Na Alemanha, uma mulher que completou o estudo universitário terá, ao final de sua carreira, ganhado em média 95 mil euros a mais que outra sem nível superior completo.

No caso dos homens, a diferença é ainda maior: 150 mil euros. Esses valores quase dobraram nos últimos dez anos na Alemanha. Segundo a OCDE, ter um curso superior também é uma boa garantia contra o desemprego. Por ficar menos tempo desempregado, um alemão pode contar com 32 mil euros a mais durante seu tempo de trabalho.

AS/dpa/rtr/abr/ap

Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais