OCDE condena discriminação social no sistema escolar alemão | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 09.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

OCDE condena discriminação social no sistema escolar alemão

Em nenhum outro país industrializado, a chance de êxito escolar de uma criança é tão dependente de sua origem social como na Alemanha. OCDE considera sistema educacional alemão como obstáculo para o desenvolvimento.

default

Nível social determina futuro profissional na Alemanha

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) aconselhou a Alemanha a fazer reformas abrangentes no sistema educacional. A fim de incentivar a formação de mão-de-obra qualificada, a organização sugere – entre outras coisas – a fusão dos dois tipos de escola que conduzem à profissionalização, hauptschule e realschule.

Em um relatório econômico sobre a Alemanha entregue na quarta-feira (09/04) ao ministro da Economia em Berlim, Michael Glos, a OCDE desaconselha o envio de crianças de apenas dez anos para diferentes sistemas escolares.

Propostas de reforma para todos os níveis educacionais

A organização também sugere que as anuidades para cursos universitários sejam parcialmente reembolsadas de acordo com os rendimentos do estudante. Também seria recomendável elevar a qualidade da formação de professores e transformar em graduação universitária a profissionalização de educadores de pré-escola.

O governo federal também deveria repensar seu plano de pagar uma quantia mensal para os pais que prefiram educar seus filhos em casa, em vez de enviá-los aos jardins-de-infância. Afinal, segundo avalia a OCDE, a formação infantil inicial é decisiva para o êxito escolar – sobretudo no caso de escolares estrangeiros ou provindos de famílias pobres.

O relatório econômico da OCDE contém recomendações consensuais dos outros 29 países-membros à Alemanha. O documento também contém pareceres sobre o desenvolvimento da conjuntura e sobre a política fiscal no país.

Sistema escolar corrobora diferenças sociais

O sistema de enviar as crianças a partir de dez anos a diferentes tipos de escola, algo que existe somente na Alemanha e na Áustria, seria uma importante razão para a desigualdade de chances no sistema escolar alemão, avalia o relatório com base em diversos estudos recentes.

Em nenhum outro país industrializado, a chance de êxito escolar de uma criança é tão dependente de sua origem social como na Alemanha, alerta a OCDE. Quanto mais cedo as crianças forem enviadas a escolas diferentes, pretensamente de acordo com seu talento, maior é o risco de equívocos por parte dos professores e dos pais.

Segundo avaliação da organização, o sistema escolar alemão não seria nada permeável. Para 60% dos escolares, uma posterior mudança de escola significa automaticamente um rebaixamento. Apenas 20% dos alunos que resolvem mudar passam para uma forma de escola que permite maior qualificação.

Eliminar barreiras entre os tipos de escola média

A OCDE considera positiva a iniciativa de diversos estados do Leste alemão, a ser adotada futuramente também na Renânia-Palatinado, em Schleswig-Holstein e em Hamburgo, que une em um único tipo de escola a hautpschule e realschule, correspondentes aos níveis de qualificação inferior e médio. Isso contribui para atenuar a rigidez do sistema escolar alemão.

O relatório também revela a diminuição do número de estudantes universitários na Alemanha, em comparação com outros países. Até na qualificação profissional básica, que corresponderia ao segundo grau completo, a Alemanha fica aquém de outros países. Os profissionais entre 45 e 64 anos são mais qualificados que a atual geração entre 25 e 34 anos, demonstra o estudo.

A presidente da Comissão de Educação do Bundestag, Ulla Burchardt, advertiu que o governo federal e os estados levem a sério as recomendações da OCDE. A falta de mão-de-obra qualificada e a falta de preparo profissional da população ativa seriam um grande obstáculo para uma política econômica inovadora.

Leia mais