1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Observadores europeus monitoram eleições nos EUA

Pela primeira vez, uma missão da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) está nos Estados Unidos para observar as eleições presidenciais.

default

Computadores utilizados na votação estão na mira dos observadores

Em grupos de dois, os cem observadores da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) atuam em diferentes partes do país. Alvo de sua atenção são os locais de votação, os computadores utilizados para o voto eletrônico, as listas de eleitores, a contagem dos votos, a apuração dos resultados.

"Os cidadãos têm a possibilidade de fazer uso do seu direito de voto? Quão seguro é o sistema eleitoral e o sistema de apuração? Quer dizer, o eleitor pode estar seguro de que o seu voto será computado? Disso tudo faz parte ainda a questão se o resultado constatado pode ser controlado" – foi assim que Rita Süssmuth, ex-presidente do parlamento alemão e integrante da missão da OSCE, resumiu à Deutsche Welle as tarefas que cabem a ela e seus colegas no âmbito das eleições norte-americanas. Os critérios são os mesmos que se empregam em democracias mais jovens, assegura a política democrata-cristã.

Convite do Departamento de Estado

Rita Süssmuth zu OSZE-Beobachtern bei US-Wahl

Rita Süssmuth integra a missão de observação nos EUA

A observação de eleições é uma das principais tarefas da OSCE, realizada tradicionalmente em países da ex-União Soviética e em democracias emergentes. A atuação dos observadores num país que conta com uma tradição democrática de 200 anos é incomum, mas resulta de um convite do próprio Departamento de Estado norte-americano. Deu origem ao convite o temor de que se repitam as irregularidades registradas em 2000 na Flórida, onde George W. Bush ganhou do então candidato democrata Al Gore com uma vantagem de apenas 537 votos.

A suíça Barbara Häring, vice-presidente da Assembléia Parlamentar da OSCE e coordenadora da missão de observação, está perfeitamente cônscia da responsabilidade. "A qualidade do nosso relatório vai reforçar também o nosso poder de argumentação", declarou ela à Deutsche Welle. "Este é o único instrumento que temos à disposição para mantermos um rumo claro num ambiente emocionalizado como esse."

Cabeça fria

OSZE Logo

Se o resultado das eleições for tão apertado como da última vez, ou se as panes na contagem dos votos se acumularem, a missão da OSCE também poderá se ver na berlinda, seja como possível testemunha de acusação, seja como escudo protetor. Apesar do peso da responsabilidade, Barbara Häring mantém a cabeça fria. Afinal, o trabalho se orienta por critérios claros, estabelecidos por todos os países que integram a OSCE – 55 ao todo, englobando a Europa, os Estados Unidos, o Canadá e a ex-União Soviética.

"Nós não vamos ter influência nenhuma sobre a votação atual. Neste sentido, somos na melhor das hipóteses garantia preventiva de que os processos ocorram corretamente. Se constatarmos falhas em nossas observações, então escreveremos um relatório a respeito e faremos sugestões com vistas a futuras eleições."

Leia mais