1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Observadores da OSCE continuam desaparecidos no leste da Ucrânia

Organização perdeu contato com enviados especiais há dois dias e avalia retirar funcionários do país. Após combates no aeroporto, Donetsk amanheceu com as ruas desertas.

Ainda não há sinal dos quatro observadores da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) desaparecidos em meio aos conflitos no leste da Ucrânia há dois dias, declarou o enviado especial alemão da OSCE, Wolfgang Ischinger, na manhã desta quarta-feira (28/05).

"Não sabemos exatamente onde eles estão. Supomos que estejam nas mãos de um dos grupos separatistas", disse Ischinger em entrevista à emissora alemã de televisão ZDF. O ministro dinamarquês do Comércio e Desenvolvimento, Mogens Jensen, também havia afirmado que o grupo foi detido por forças pró-Rússia.

Segundo informações da própria OSCE, a organização perdeu o contato com os quatro funcionários – da Dinamarca, Estônia, Suíça e Turquia – nesta segunda-feira à noite. Eles faziam uma patrulha de rotina na região de Donetsk e foram detidos num posto de controle.

Desde então, não há informações sobre o paradeiro dos observadores. Nesta terça-feira, a OSCE havia dito estar em contato com o governo e as autoridades regionais para localizar o grupo.

Para Ischinger, se o país oferecer perigo constante aos observadores da OSCE, seria necessário pensar numa retirada. O incidente não é o primeiro deste tipo. Há cerca de um mês, outros sete integrantes da OSCE haviam sido capturados por milícias pró-Rússia e detidos na cidade de Slaviansk, também no leste da Ucrânia.

A missão conta atualmente com 210 membros não armados, com a função de se reunirem com as autoridades locais e nacionais, bem como com grupos étnicos e religiosos e organizações não governamentais. A operação foi aprovada por todos os Estados da OSCE – inclusive a Rússia, que não autorizou, porém, o deslocamento para a Crimeia, anexada por Moscou no início de março.

Cidade-fantasma

Donetsk amanheceu com a aparência de uma cidade-fantasma nesta quarta-feira, com lojas fechadas e ruas desertas após dois dias de combates com separatistas, que ocuparam o aeroporto local nesta segunda-feira.

O aeroporto internacional Sergei Prokofiev, o segundo maior do país, teve sua fachada de vidro destruída depois de o Exército ucraniano ter atacado os mais de cem militantes pró-Rússia com aviões e helicópteros. O aeroporto permanece fechado, sem previsão de reabrir.

Nesta terça-feira, as autoridades ucranianas haviam declarado ter retomado o controle do aeroporto. Mais de 40 pessoas morreram nos combates, incluindo dois civis. Trata-se da maior operação militar desde o início da insurgência pró-russa na região, no início de abril, que já deixou cerca de 200 mortos.

Tropas russas

A Rússia já retirou milhares de soldados que havia enviado para áreas de fronteira com a Ucrânia, mas dezenas de milhares permanecem no local, disse um oficial da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) nesta quarta-feira.

"No momento, grande parte das forças russas enviadas anteriormente permanece nas proximidades da fronteira e continua hábil para realizar operações", disse o oficial, que não quis se identificar.

LPF/dpa/afp/lusa

Leia mais