Obama propõe reduzir arsenal nuclear | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 19.06.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Obama propõe reduzir arsenal nuclear

Em discurso em Berlim, presidente americano diz que a redução do arsenal nuclear não compromete a segurança dos EUA e seus aliados e que pretende negociar cortes com a Rússia.

Em um aguardado discurso diante do Portão de Brandemburgo, em Berlim, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quarta-feira (19/06) estar convencido de que a redução em um terço do "nosso arsenal nuclear" não compromete a segurança dos EUA e de seus aliados e que pretende negociar esse tema com a Rússia.

O discursos de Obama ocorreu quase 50 anos depois do pronunciamento histórico do ex-presidente John F. Kennedy, quando a cidade ainda era dividida pela Guerra Fria. Na época, Kennedy pronunciou a famosa frase "Ich bin a Berliner" (eu sou um berlinense).

Obama disse que deseja reativar o espírito que Berlim demonstrou durante a Guerra Fria, quando a cidade lutou pela unificação. "Eu venho para esta cidade porque os atuais desafios requerem o mesmo espírito de luta que marcou Berlim há 50 anos."

Obama in Berlin Rede Brandenburger Tor

Obama também disse que pretende fazer mais contra o aquecimento global

Obama disse que espera trabalhar com os parceiros da Otan para elaborar um novo cenário para o uso pacífico da energia nuclear, referindo-se à Coreia do Norte e ao Irã. Ele disse que os Estados Unidos vão realizar uma conferência em 2016 sobre como manter materiais nucleares em segurança e pediu o fim da produção de material físsil.

Antes do discurso de Obama, o presidente russo, Vladimir Putin, mostrou-se preocupado com a produção de armamento de alta precisão e mísseis de defesa nos Estados Unidos. "Essas armas estão se aproximando do nível de armas nucleares em termos de capacidade de ataque." O presidente apelou por cooperação com a Rússia também sobre a crise na Síria.

Temas diversos

O presidente americano fez alusões aos movimentos populares pelo mundo. "É necessário aceitar o desafio que todos os governos democráticos enfrentam: ouvir as vozes daqueles que discordam." Ele lembrou que a pobreza e o desemprego são questões que requerem a atenção de todo o mundo. "Nosso trabalho ainda não foi concluído", lembrou.

Para ele, é necessário vigiar a própria liberdade, mas também ajudar os que buscam liberdade. "O Muro [de Berlim] pertence à História. Mas nós temos uma história para fazer, também. Temos que ser vigilantes na proteção da nossa liberdade, mas também estender a mão para aqueles que estão buscando a liberdade", disse.

Um das declarações mais aguardadas pelos alemães era sobre o fechamento do centro de detenção de Guantánamo. Obama declarou que vai redobrar os esforços para o fechamento da controversa prisão. "Temos que nos manter vigilantes em relação à ameaça terrorista, mas temos que nos mover para além da mentalidade da guerra perpétua", disse.

A ameaça global

Enfrentando temperatura elevada na capital alemã e falando para convidados atrás de um vidro à prova de balas, o presidente americano definiu o que chamou de "a ameaça global dos nossos tempos".

Segundo ele, é necessário enfrentar as mudanças climáticas antes que seja tarde. "Essa é a nossa tarefa", afirmou. Obama disse que os Estados Unidos sabem que precisam fazer mais contra o aquecimento global e prometeu novas medidas. "Nossas perigosas emissões de carbono estão caindo."

Espera-se que o presidente anuncie medidas, nas próximas semanas, para combater as mudanças climáticas.

O discurso de Obama contrastou com a sua manifestação durante a campanha eleitoral de 2008. Na ocasião, o então candidato democrata falou para cerca de 200 mil pessoas na capital alemã. Desta vez, Obama discursou para 4 mil convidados.

MP/ap/dpa/rtr

Leia mais