1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Obama promete destruir "Estado Islâmico"

Em primeiro pronunciamento dos últimos cinco anos, presidente americano pede que população não tenha medo de terrorismo e convoca muçulmanos para lutar contra "ideologias extremistas".

Pela primeira vez em cinco anos, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez neste domingo (06/12) um pronunciamento à nação, no qual pediu aos americanos para não ter medo do terrorismo e prometeu combater o grupo extremista "Estado Islâmico" (EI).

"A ameaça do terrorismo é real, mas vamos superá-la. Destruiremos o EI e outras organizações que tentem nos prejudicar", disse Obama e prometeu que as Forças Armadas Americanas continuarão caçando terroristas no exterior e trabalhando com parceiros locais no Iraque e na Síria no combate ao "Estado Islâmico".

O presidente rejeitou, porém, o envio de tropas terrestres para esses países. Obama falou ainda sobre o ataque a uma festa de fim de ano de funcionários do departamento de saúde de San Bernardino, na Califórnia, que deixou 14 mortos na quarta-feira.

Ele disse que os atiradores –

Syed Rizwan Farook e sua esposa, Tashfeen Malik

– aparentemente se radicalizaram, mas não pertenciam a nenhuma organização terrorista. Obama afirmou que, com aumento da eficácia de serviços de inteligência em prevenir grandes atentados, a guerra contra o terrorismo entrou em uma nova fase nos últimos anos, pois os grupos têm conquistado seguidores pela internet que estariam dispostos a cometer pequenos ataques.

"Vemos esforços crescentes de terroristas para envenenar a mente das pessoas, como nos ataques a bomba na maratona de Boston ou os assassinos de San Bernardino", acrescentou o presidente e pediu para que os muçulmanos ajudem no combate a "ideologias extremistas".

"Não podemos nos virar uns contra os outros e deixar que essa luta seja definida com uma guerra entre a América e o Islã. Isso não significa, porém, negar o fato de que a ideologia extremista se espalhou em algumas comunidades muçulmanas. É um problema real que muçulmanos precisam enfrentar", disse.

Controle de armas

Obama também se dirigiu ao Congresso e pediu que uma legislação mais rígida de controle de armas fosse aprovada. Os atiradores de San Bernardino possuíam um verdadeiro

arsenal de armas

, compradas legalmente. Somente no carro do casal, a polícia encontrou mais 1.600 cartuchos de munição.

Esse foi o primeiro pronunciamento de Obama à nação desde agosto de 2010, quando o presidente anunciou o fim das operações de combate no Iraque.

CN/dpa/afp

Leia mais