1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Obama pede retirada de Cuba da lista do terrorismo

Presidente americano comunica intenção ao Congresso, que terá 45 dias para analisar o assunto. Medida é o mais importante passo no processo de restabelecimento das relações diplomáticas entre Washington e Havana.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, comunicou nesta terça-feira (14/04) ao Congresso que pretende retirar Cuba da lista de estados que patrocinam o terrorismo. A medida é a principal exigência do governo em Havana nas negociações para o pleno restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países.

O Congresso terá agora 45 dias para analisar a decisão de Obama e, em caso de desacordo, poderá apresentar um projeto de lei para tratar de revogar a medida do presidente. Há resistências por parte dos republicanos, mas eles dificilmente alcançarão a maioria de dois terços necessária para bloquear a decisão.

A decisão de Obama ocorre apenas três dias depois de sua histórica reunião com o presidente de Cuba, Raúl Castro, durante a 7ª Cúpula das Américas, no Panamá.

Em sua mensagem ao Congresso, Obama certifica que o governo de Cuba "não tem proporcionado nenhum apoio ao terrorismo internacional durante os últimos seis meses" e que existem "garantias de que não respaldará atos de terrorismo internacional no futuro". Obama tomou a decisão depois de receber uma recomendação de seu secretário de Estado, John Kerry.

Cuba integra a lista desde 1982. Os demais países na relação são Irã, Sudão e Síria. Cuba foi incluído na lista por apoiar as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Washington e Havana anunciaram em 17 de dezembro de 2014 um acordo para retomar as relações diplomáticas rompidas desde 1961 e negociam desde final de janeiro a reabertura de embaixadas.

FC/dpa/rtr/afp/ap/efe

Leia mais