1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Obama obtém apoio necessário para acordo nuclear com Irã

Com aprovação de Barbara Mikulski, presidente dos EUA assegura o 34º voto favorável no Senado. Senadora afirma que pacto é "melhor opção disponível para impedir que Teerá tenha uma bomba nuclear".

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, conseguiu nesta quarta-feira (02/09) o apoio necessário no Congresso americano para garantir a aprovação do acordo nuclear com o Irã, que precisa ser votada até 17 de setembro. Com o suporte da democrata Barbara Mikulski, o acordo nuclear conquistou o aval de 34 membros do Senado dos EUA (câmara alta do Congresso).

A maioria dos legisladores americanos se opõe ao acordo, que prevê alívios das sanções econômicas contra Teerã em troca de rígido controle sobre o programa nuclear do país. Muitos republicanos advertem que o Irã tentará enganar as potências mundiais e elaborar uma maneira alternativa para concluir a construção de uma bomba atômica.

Caso o Congresso dos EUA vote a favor de uma resolução que desaprova o acordo acertado entre Teerã e o chamado Grupo 5+1 – formado por EUA, Reino Unido, França, Rússia, China e Alemanha –, Obama fará uso do veto presidencial. E para invalidar o veto do presidente, seria necessária uma maioria de dois terço no Senado e na Câmara dos Representantes.

Com o anúncio de Mikulski, senadora de Maryland, o acordo nuclear detém agora o apoio do número suficiente de legisladores no Senado para sustentar o veto de Obama.

USA Senatorin Barbara Mikulski

Senadora democrata Barbara Mikulski é o 34º membro do Senado americano a apoiar o acordo nuclear com Teerã

"Perguntei quais seriam as alternativas eficazes e viáveis se rejeitássemos o acordo. Considerei as alternativas cuidadosamente", disse Mukulski. "Mas no final, eles não apresentaram uma opção mais viável para o acordo." As alternativas seriam mais sanções ou ação militar, disse a senadora.

"Não está claro se União Europeia, Rússia, China, Índia e outros [países] manteriam suas sanções se o Congresso [americano] rejeitasse o acordo", comentou Mukulski. "Na melhor das hipóteses, as sanções seriam porosas ou limitadas a sanções unilaterais pelos EUA."

Mikulski afirmou que o acordo nuclear é a melhor forma de conter as ambições nucleares do Irã, desde que os interesses de Israel sejam mantidos. "Nenhum acordo é perfeito, especialmente numa negociação com o regime iraniano. Cheguei à conclusão de que este Plano de Ação Conjunta é a melhor opção disponível para impedir que o Irã tenha uma bomba nuclear", disse. "Por esses motivos, vou votar a favor deste acordo", confirmou a senadora, em comunicado.

A Casa Branca visa agora alcançar outra marca importante no Senado: caso 41 senadores apoiem Obama, os republicanos não teriam os 60 votos necessários para avançar a resolução que desaprova o acordo. Isso pouparia o presidente americano do passo embaraçoso de remendar uma coalizão minoritária para um veto favorável ao acordo nuclear. O processo semearia dúvidas entre a já cética população americana e parceiros internacionais, que estão ansiosos para ver quão forte é o comprometimento dos EUA com o acordo nuclear com Teerã.

PV/afp/dpa/ap/rtr

Leia mais