Obama não priorizará América Latina, afirma catedrático | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.11.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Obama não priorizará América Latina, afirma catedrático

Grandes desafios esperam pelo próximo presidente norte-americano. Um deles é a relação dos EUA com a América Latina. A DW-WORLD.DE conversou com especialistas sobre o papel do continente na próxima legislatura.

default

Possível vitória de Barack Obama não mudará política para AL, afirma professor

Os quase 300 mil cidadãos norte-americanos residentes na Alemanha estão conscientes do momento histórico que significa a atual eleição presidencial em seu país, e não querem deixar à sorte nem aos indecisos o resultado eleitoral. Muitos recordam que, há oito anos, George W. Bush chegou à presidência da primeira potência mundial com uma vantagem de somente 537 votos no estado da Flórida.

As eleições de 2000 mobilizaram democratas norte-americanos em todo o mundo, como Bill Purcell, da organização Democrats Abroad (democratas no estrangeiro), que coordenou a campanha democrata na Alemanha.

Em entrevista à DW-WORLD.DE, o nova-iorquino afirmou que, até o final da campanha, sondagens apontaram uma vantagem de oito pontos percentuais de Obama (51%) sobre McCain (43%). Ainda assim, cerca de seis a sete por cento dos eleitores continuam indecisos.

Desafios monumentais

São monumentais os desafios que esperam o 44º presidente da nação americana. O país enfrenta a crise mais severa desde a grande depressão de 1929, e os norte-americanos se perguntam se, por exemplo, uma eventual vitória de Obama ajudará o país a superar a crise.

USA Präsidentschaftswahlen Symbolbild Arabische Welt

Oriente Médio ocupará papel na política externa de McCain ou Obama

"Ele não vai poder ter a famosa lua-de-mel de seis a oito meses, pois terá que enfrentar a política interna e tratar de evitar uma profunda recessão econômica. Para ele, a política internacional deverá ficar em segundo plano. O grande desafio dos primeiros 30, 60 dias será recuperar a confiança do consumidor, das famílias norte-americanas, para promover o consumo e o investimento", afirmou o presidente emérito e catedrático de Economia da Universidade Americana de Paris (AUP), Gerardo Della Paolera.

O professor advertiu que "ele terá de ratificar ou retificar as políticas de intervenção estatal implementadas, terá que definir uma política fiscal e analisar qual deverá ser o papel de organismos como o FMI e o Banco Mundial, com vistas a um acordo de cooperação com as demais economias do mundo para enfrentar a crise".

América Latina não é prioridade

Não é de se esperar que as relações entre os EUA e a América Latina ganhem impulso, embora a região esteja praticamente esquecida pelos EUA, desde o 11 de Setembro. Para Della Paolera, "a política de George W. Bush com respeito à América Latina foi inexistente". O catedrático também assinalou que o tema não foi prioritário na plataforma eleitoral de nenhum dos dois candidatos.

O analista afirmou que é muito provável que a região continue a não ter o peso que teve da década de 1970-80 até a administração Clinton, já que, nos últimos anos, os Estados Unidos ficaram "consumidos pelo terrorismo".

O pesquisador salientou que "a exceção que confirma a regra foi a afinidade entre os EUA e a Colômbia, devido ao tema do narcotráfico. Houve aí uma relação muito forte nesta década. O presidente Uribe teve enorme apoio da administração Bush e muito êxito no combate ao narcotráfico".

Possível mudança em relação a Cuba

USA China Wirtschaft Symbolbild Blackstone

Por questões de hegemonia, China também será preocupação da política externa do próximo presidente, diz professor da Universidade Americana de Paris

Ainda que a política norte-americana tenha mantido uma visão dogmática em relação a Cuba, Della Paolera considera que é possível haver uma mudança com Obama. Há também uma preocupação com o México, devido à situação caótica na luta contra os cartéis do narcotráfico.

A Venezuela, por sua vez, irritou a administração Bush. O professor lembrou que, enquanto o barril de petróleo estava pelos 148 dólares, o presidente Chávez "incomodou" um pouco, porém agora, com o barril por volta dos 62 dólares, "nem mesmo Chávez terá forças de adotar atitudes antiamericanas".

O catedrático advertiu que "os Estados Unidos estão mais preocupados com seu próprio futuro. A Europa é de interesse, mas o que mais lhe tira o sono é a China, por questões de hegemonia. E, evidentemente, o Oriente Médio, pois os EUA aí se meteram e não sabem como sair".

Leia mais