Obama está na Europa para consolidar aliança estratégica | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 23.05.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Obama está na Europa para consolidar aliança estratégica

Presidente está na Europa para consolidar relações, mas em muitas questões ainda falta consenso, seja sobre o futuro da missão no Afeganistão, a política para o Oriente Médio ou o apoio à democratização no mundo árabe.

default

Obama iniciou na Irlanda sua visita à Europa

A estada do presidente norte-americano, Barack Obama, na Europa não é exatamente uma viagem de férias. Por um lado, o cronograma é apertado, incluindo não só visitas oficiais a Irlanda, Reino Unido e Polônia, como a participação na cúpula do G8, na cidade balneária francesa de Deauville.

Por outro lado, o brilho pessoal do chefe de Estado norte-americano perdeu muito de seu efeito no Velho Mundo. Em muitas questões, há necessidade concreta de consenso entre os Estados Unidos e seus parceiros europeus – quer se trate do futuro da missão no Afeganistão, a política para o Oriente Médio, ou o apoio ao movimento de democratização no mundo árabe.

Werner Weidenfeld München

Werner Weidenfeld

Aliança incipiente

Diplomatas de ambos os lados do Oceano Atlântico gostam muito de evocar a parceria ou aliança estratégica euro-americana em todas as questões globais. No entanto, ela só é perceptível de forma incipiente, no melhor dos casos, observa o professor Werner Weidenfeld, estudioso das relações transatlânticas. Pois construir algo do gênero "exige infinitamente muito mais esforço e engajamento do que os norte-americanos têm demonstrado até agora", afirma.

Isso ficou demonstrado recentemente na crise da Líbia. Ao abster-se de votar no Conselho de Segurança da ONU, a Alemanha adotou uma posição recebida com desconcerto por Washington. Entretanto, também no tocante à missão conjunta no Afeganistão, percebem-se até hoje formas divergentes de proceder. Isso se deve às diferenças entre as culturas políticas dos dois continentes, explica Weidenfeld.

"Tanto europeus quanto norte-americanos têm déficits em relação ao Afeganistão. Os norte-americanos têm muito pouca noção da sociedade civil afegã, e os europeus preferem deixar o aparato de poder pesado para os EUA". A presidência Obama pouco alterou esta situação. Mas ao menos ele parece ter se libertado da carga ideológica de seu antecessor no tocante ao Afeganistão. A meta da guerra no país não é mais construir uma democracia, e sim criar um contexto no qual não mais seja possível a Al Qaeda planejar atentados a partir do Afeganistão.

Os EUA não estão mais tão preocupados em estabelecer uma sociedade civil em que todas as meninas possam frequentar a escola. Agora sua intenção é preparar a retirada de suas tropas e as negociações de paz com os talibãs, que já deverão participar da Conferência para o Afeganistão, programada para dezembro de 2011, em Bonn, na Alemanha.

Processo de paz entre Israel e palestinos

Na Europa e nos EUA, sabe-se que as reviravoltas no mundo árabe se aproximam cada vez mais do epicentro do conflito, Israel. Com seu discurso sobre o Oriente Médio, na semana passada, Obama tentou dar uma perspectiva às pessoas no mundo árabe.

Contudo, o verdadeiro conflito do Oriente Médio – entre israelenses e palestinos – se agravou ainda mais sob o governo Obama. Tanto que o encarregado especial para a região, George Mitchell, renunciou ao cargo devido à estagnação no processo de paz.

Segundo Michael Werz, professor de Política da Universidade de Georgetown, em Washington, o anúncio de Obama, no início de seu mandato, de que traria movimento às frentes endurecidas entre israelenses e palestinos, até agora não se cumpriu.

Werz acrescenta que os êxitos do presidente se concentram antes em outros campos, como a busca por uma coalizão internacional contra a política atômica do Irã – tema onde os europeus desempenham papel importante.

Westerwelle bei Clinton in USA

Chefes de diplomacia Westerwelle e Clinton nos EUA

Capacidade de escutar

Por outro lado, "Obama sabe que nenhuma potência do mundo é capaz de resolver sozinha questões importantes como o conflito do Oriente Médio, mas também questões globais", ressalta Weidenfeld. E aponta uma diferença essencial entre o atual chefe de Estado norte-americano e seu antecessor, George W. Bush: Obama sabe escutar.

Deste modo, ele deverá receber com curiosidade cética a intenção de Paris de, já nos próximos meses, propor o reconhecimento de um Estado palestino autônomo, nos termos do direito internacional, numa manobra que forçaria Israel a ceder.

O futuro da missão na Líbia é outro ponto em que EUA e Europa precisam alcançar um consenso. O mesmo se aplica à ocupação do posto de diretor do Fundo Monetário Internacional – decisão que, caso necessário, poderá ser atribuída aos altos escalões durante o encontro do G8. Desse modo, o tradicional direito da Europa de propor um candidato permanecerá intocado pelo escândalo Strauss-Kahn – pelo menos é o que esperam os europeus.

Tudo bem com a Alemanha

E por que Obama evita a Alemanha neste giro pela Europa? No momento, não consta da agenda teuto-americana nenhum tema tão urgente que não possa ser discutido na cúpula do G8 em Deauville, ou na visita aos EUA da chanceler federal alemã, Angela Merkel a Washington, onde em 7 de junho ela receberá a Medalha da Liberdade.

"O fato de Obama não passar por Berlim durante uma viagem de crise à Europa deve ser interpretado como indicador de boas e estáveis relações bilaterais", analisa Axel Heck, especialista em assuntos norte-americanos da Universidade Johannes Gutenberg, em Mainz.

Ao que tudo indica, pertencem ao passado os tempos em que uma discordância alemã – como agora, no caso da Líbia – podia ser a causa de um congelamento das relações bilaterais. "Acredite, a Alemanha é um de nossos parceiros mais importantes no mundo", assegurou à Deutsche Welle o embaixador norte-americano Philip Murphy. Interpretar o atual roteiro de viagem de Obama como qualquer outra coisa seria "pura perda de tempo", assegura o diplomata.

Autor: Daniel Scheschkewitz (av)

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais