1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Obama diz que Nelson Mandela foi gigante da história

"Ele me faz querer ser um homem melhor", afirma o presidente dos Estados Unidos. Dilma diz que Mandela foi exemplo para os brasileiros, que trazem "com orgulho o sangue africano nas veias".

default

Em gesto inesperado, Obama cumprimenta Raul Castro, ao lado de Dilma Rousseff

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a presidente Dilma Rousseff contaram entre os quase cem líderes de vários países do mundo que estiveram reunidos nesta terça-feira (10/12) em Johannesburgo, na África do Sul, para prestar homenagens ao líder sul-africano Nelson Mandela, que faleceu na quinta-feira passada, aos 95 anos.

Uma multidão se reuniu no estádio de futebol no bairro de Soweto para o memorial oficial de Mandiba, como Mandela era carinhosamente conhecido no seu país. Há 23 anos, os sul-africanos lotaram o mesmo estádio em apoio a Mandela, que tinha acabado de sair da prisão. O local tem capacidade para 90 mil pessoas.

Obama foi um dos mais aplaudidos ao entrar no estádio junto com sua mulher, Michelle, e foi apresentando como "um filho do solo africano".

Durante o seu discurso, o presidente dos EUA agradeceu à África do Sul por compartilhar "um gigante da história", como Mandela, com o mundo. Obama disse que Mandela não só ensinou as pessoas a lutar por seus ideais como também a traçar estratégias que tornem possível alcançá-los.

"Mesmo não sendo capaz de ser um exemplo tão bom quanto ele, Mandela me faz querer ser um homem melhor", disse Obama, que foi muito aplaudido. Ele disse que é importante não só lembrar e falar sobre as lições que Mandela deixou, mas também aplicá-las no cotidiano.

Sangue africano

Falando logo após Obama e antes do vice-presidente chinês, Li Yuanchao, Dilma disse que Mandela também inspirou a luta no Brasil e na América do Sul. "Nós, nação brasileira, que trazemos com orgulho o sangue africano em nossas veias, choramos e celebramos o exemplo desse grande líder que faz parte do panteão da humanidade." A brasileira foi a única representante da América do Sul a discursar na cerimônia.

Dilma qualificou o apartheid de "a forma mais cruel e elaborada de desigualdade política dos tempos modernos" e afirmou que Madiba é um exemplo e uma referência para todos. "Pela histórica paciência com que suportou o cárcere e o sofrimento, pela lúcida firmeza e determinação que revelou no seu combate vitorioso, pelo profundo compromisso com a justiça e a paz e sobretudo pela sua superioridade moral e ética", disse.

Com capacidade para receber 90 mil pessoas, o estádio exibia um contraste entre o preto, simbolizando o luto, e as bandeiras coloridas da África do Sul, assim como os trajes tradicionais africanos. A cerimônia, com muita cantoria, foi transmitida ao vivo para todo o mundo, e também em 90 localidades e em três estádios de futebol na África do Sul.

Coincidentemente, o memorial foi celebrado na mesma data em que as Nações Unidas celebram o dia dos direitos humanos. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que Mandela foi um dos maiores líderes mundiais e que ele passou adiante suas mensagens de justiça e contra o preconceito através de seus próprios exemplos.

Vaias para Zuma

Mandela Trauerfeier Johannesburg 10.12.2013

Centenas participaram da homenagem a Mandela

Também estiveram presentes à cerimônia o presidente da França, François Hollande, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, o presidente de Cuba, Raul Castro, e o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, entre vários outros. Num gesto inusitado, Obama e Castro se cumprimentaram com um aperto de mão.

Envolvido em escândalos de corrupção, o atual presidente sul africano, Jacob Zuma foi vaiado pelo público várias vezes durante o memorial.

Após a cerimônia, o corpo de Mandela vai ser velado na cidade de Pretoria, de 11 a 13 de dezembro, no mesmo edifício em que ele prestou juramento como primeiro presidente sul-africano negro. O funeral acontecerá no dia 15 de dezembro no vilarejo de Qunu, a 700 quilômetros de Johannesburgo, onde Mandela nasceu.

Desde que Mandela faleceu, o clima tem sido chuvoso em Johannesburgo, o que simboliza que Mandela está recebendo as boas-vindas de seus ancestrais, de acordo com tradições africanas.

Leia mais