1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Obama critica situação dos direitos humanos na China

Apesar de reconhecer desigualdades civis, Xi Jinping insiste que reformas devem ocorrer de acordo com agenda chinesa. Presidentes discutem aquecimento global e chegam a acordo sobre cibersegurança e comunicação militar.

default

Presidentes de EUA e China discutiram aquecimento global, cibersegurança, direitos humanos e questões militares

Em encontro com o homólogo chinês Xi Jinping, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, criticou o histórico da China na questão dos direitos humanos, nesta sexta-feira (25/09), na Casa Branca. Os dois chefes de governo também discutiram medidas sobre mudança climática e cibersegurança.

"Expressei em termos sinceros nosso forte ponto de vista de que impedir jornalistas, advogados, organizações não governamentais e grupos da sociedade civil de atuar livremente ou fechar igrejas e negar igualdade de tratamento às minorias étnicas são todas, a nosso ver, questões problemáticas, e que realmente impedem a China e seu povo de alcançar seu potencial pleno", disse Obama, após conversações com o presidente chinês, em Washington.

Em contrapartida, Jinping garantiu que a China está preocupada com os direitos humanos, mas insistiu que a reforma deve ocorrer de acordo com uma agenda política própria. "Temos de reconhecer que os países têm diferentes processos e realidades, que temos de respeitar as pessoas de todos os países no direito de escolherem independentemente o seu próprio caminho de desenvolvimento", afirmou Xi, em coletiva de imprensa.

Xi Jinping und Barack Obama in Washington

Pequim e Washington se comprometeram a liberar 3 bilhões de dólares, cada, para ajudar países em desenvolvimento a reduzir emissões de carbono

Combate ao aquecimento global

Os dois presidentes emitiram uma declaração conjunta sobre as alterações climáticas, que incluiu o anúncio de que a China se comprometeu a investir 3,1 bilhões de dólares para ajudar países em desenvolvimento a reduzir suas emissões de carbono. A China é o maior emissor de poluentes do mundo.

Esta é uma das medidas dotadas ao lado dos EUA para combater o aquecimento global. Anteriormente, Washington também prometeu 3 bilhões de dólares para um fundo da ONU que ajuda países em desenvolvimento nessa meta.

Além disso, os dois governos acordaram uma linha direta e regras de comportamento militar buscando diminuir as chances de um acidente entre as duas Forças Armadas, visando às tensões no Mar do Sul da China. "Nós concordamos em novos canais de comunicação para reduzir o risco de erros de cálculo entre nossas Forças Armadas", disse Obama. A decisão veio um dia após o Pentágono ter criticado a China por uma interceptação insegura de um avião de espionagem americano.

Também houve uma afiada troca de pontos de vista sobre a suposta tentativa de Pequim em estender sua

soberania sobre o Mar do Sul da China

através da construção de bases em ilhas recuperadas em áreas disputadas também por países aliados de Washington.

"As ilhas no Mar do Sul da China, desde tempos antigos, são território da China", declarou Xi. "Temos o direito de defender a nossa própria soberania territorial e os direitos e interesses marítimos lícitos e legítimos."

Já Obama afirmou que os conflitos devem ser resolvidos de acordo com os estatutos internacionais. "Incentivei uma resolução entre requerentes destas áreas. Nós não somos um requerente. Apenas queremos ter certeza de que as regras sejam mantidas", disse o presidente americano.

Xi Jinping und Barack Obama in Washington

Xi Jinping e Barack Obama concordaram em não realizar ou apoiar roubos cibernéticos de segredos comerciais

Economia estável e acordo em cibersegurança

Outro tema que preocupou recentemente Washington foi a

recente desvalorização da moeda chinesa

em relação ao dólar americano. O presidente chinês garantiu que não há nenhuma razão para uma depreciação duradoura do yuan, afirmando que a taxa de câmbio estava "caminhando para a estabilidade".

"Não há base para o yuan ter uma desvalorização de longo prazo. Daqui para frente, a China vai manter a flutuação normal e manter a estabilidade básica da moeda num nível de adaptação e equilíbrio", explicou Xi.

Os dois presidentes concordaram também em não realizar ou apoiar furtos cibernéticos de segredos comerciais. Obama entregou a mensagem direta a Xi de que tal espionagem "tem que parar". O presidente chinês concordou que os países não irão "apoiar conscientemente" o crime cibernético e prometeu respeitar as "normas de conduta" no ciberespaço.

Caso este acordo não seja cumprido pela China, Obama afirmou que os Estados Unidos então adotariam sanções, aplicando leis tradicionais e outras medidas para "ir atrás de criminosos cibernéticos".

PV/ap/rtr/afp

Leia mais