1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Obama é o primeiro presidente dos EUA a votar antecipadamente

Equipe de Obama acredita que votos antecipados favorecem a maior participação e apoio ao presidente. Enquanto os candidatos entram na corrida final, democrata recebe apoio do republicano Colin Powell.

O presidente Barack Obama votou antecipadamente, nesta quinta-feira (25/10), para a eleição presidencial de 6 de novembro, na sua cidade natal, Chicago, e incentivou outras pessoas a seguirem seu exemplo.

Obama se dirigiu a uma instalação de votos antecipados e apresentou sua carteira de motorista, antes de fazer sua escolha para presidente.

"Para todos vocês que ainda não votaram antecipadamente, eu só quero que todos vejam que esse é um processo incrivelmente eficiente", disse Obama aos jornalistas.

Foi a primeira vez que um presidente dos Estados Unidos votou antecipadamente. A imagem dos candidatos presidenciais e seus cônjuges votando no dia da eleição é tipicamente um ritual que encerra uma longa jornada de campanha.

Mas, para a equipe de Obama, as estatísticas mostram que ele está se beneficiando com os votos antecipados.

"Essa é uma parte importante do nosso programa, e nós esperamos que, tendo o presidente feito isso hoje, uma mensagem seja transmitida para as pessoas de todo o país, nos Estados onde o voto antecipado é uma opção, que isso é algo que eles também deveriam fazer”, disse Jen Psaki, porta-voz da campanha de Obama.

Apoio republicano

Ainda na quinta-feira (25/10), o presidente Barack Obama ganhou o apoio do ex-secretário de Estado de George W. Bush, Colin Powell, um republicano moderado.

O apoio de Powell foi marcante para o presidente na sua tentativa de reeleição, mas como ele já havia apoiado Obama há quatro anos, desta vez o impacto não foi o mesmo.

Em entrevista à CBS, Powell disse estar honrando com Obama, porque a economia do país está melhorando.

Obama e seu rival republicano, Mitt Romney, estão engajados na campanha frenética nos Estados que podem ser decisivos para virar a corrida eleitoral.

AFN/rtr/afp
Revisão: Francis França

Leia mais