O melhor amigo do homem… das cavernas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.08.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

O melhor amigo do homem… das cavernas

Segundo novas pesquisas, os cães ocupam a posição de melhor amigo do homem há mais de 14 mil anos. Um maxilar superior encontrado na caverna suíça de 1873 , e só agora analisado em detalhe, é a prova.

default

Maxilar prova que cáes acompanham homem há pelo menos 14 mil anos

Pesquisadores da Universidade de Tübingen, no sul da Alemanha, estudaram o maxilar superior de um cão, supostamente o mais antigo do mundo, comprovando que o homem já contava com a companhia dos cães há mais de 14 mil anos.

O osso, encontrado em 1873 na Caverna Kesserloch, no Cantão de Schaffhausen, Suíça, só agora foi analisado detalhadamente. De acordo com as informações publicadas pelos cientistas Hannes Napierala e Hans-Peter Uerpmann na revista científica International Journal of Osteoarchaeology, o animal viveu há cerca de 14.100 a 14.600 anos.

"Nessa época, os homens ainda eram caçadores e coletores", situou Napierala. Em função do tamanho dos dentes caninos e da mandíbula, os pesquisadores têm certeza de tratar-se de um cão, não de um lobo.

Terra natal dos peludos

Erste Klonhunde von südkoreanischen Forschern

Originais da China?

Ainda não se sabe exatamente o local de origem dos cães. Estudos genéticos apontam para a China, porém Napierala e Uerpmann não estão convencidos de que os lobos tenham sido domesticados na China e então trazidos para a Europa. Sua teoria é, antes, que a domesticação ocorreu de forma independente em diferentes partes do mundo.

Para obter uma informação exata de sua procedência, seria necessária uma comparação genética entre os cães e lobos da pré-história, e o Cão de Kesserloch pode contribuir para a solução do enigma.

Os cientistas planejam reconstituir seu genótipo a partir do osso encontrado, e estão bastante otimistas em relação aos resultados, pois, segundo Napierala, o maxilar superior está notavelmente bem conservado.

JD/dpa
Revisão: Augusto Valente

Leia mais