1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

O homem certo contra o desemprego, a fome e a criminalidade

Vice-presidente da Comissão Alemanha-Brasil considera Lula capacitado para enfrentar problemas sociais do país. Em entrevista ao DW-WORLD, social-democrata diz não crer que governo petista vá remar contra globalização.

default

Vitória de Lula teve boa acolhida até na bolsa de valores, ressalta deputado

Lothar Mark, 57 anos, já esteve com Luís Inácio Lula da Silva três vezes no Brasil. "Eu o conheço muito bem. Estou feliz que ele tenha conseguido chegar à presidência da República. Para o Brasil em geral, Lula será bom, pois conhece a problemática social muito bem. Ele tem condições de reduzir os antagonismos sociais e impedir o acirramento da concentração de renda. Quando penso em desemprego, fome e criminalidade, vejo Lula como o homem certo", avalia o vice-presidente da Comissão Parlamentar Alemanha-Brasil.

O social-democrata ressalta, porém, que seu partido SPD e o governo alemão estão satisfeitos com o governo Fernando Henrique Cardoso. "Ele se comportou de forma bem franca com a Europa e a Alemanha, se posicionando sempre em favor da Europa", acrescenta o deputado federal. Mas se o PSDB tem grande afinidade com o Partido Social-Democrático da Alemanha por sua linha político-ideológica, o PT mantém igualmente boas relações com o SPD. Afinal, ambos tiveram suas origens no movimento sindical e tem em seus quadros grande número de líderes trabalhistas.

"Em nossa última visita ao Brasil, Peter Struck (ex-líder da bancada federal do SPD e hoje ministro da Defesa) e eu reafirmamos que nós, social-democratas alemães, estamos prontos para cooperarmos com o PT e Lula para o bem de ambos os partidos e de ambos os países."

Resistência a acordo de livre comércio com os dias contados

No entanto, o Brasil não deve esperar da Alemanha ajuda financeira, adverte Mark. "Estamos prontos, porém, para abrir ainda mais nossos mercados para os produtos brasileiros. Este é para mim o ponto decisivo. E não só para o Brasil, mas para todo o Mercosul, pois, quando este voltar a funcionar direito, será um parceiro forte e terá condições de superar suas dificuldades com suas próprias forças."

O vice-presidente do Grupo Parlamentar Alemanha-Brasil não acredita que o bloqueio de alguns países da União Européia à abolição das barreiras alfandegárias aos produtos do Mercosul, sobretudo os agropecuários, irá durar mais muito tempo. "Se não superarmos esta resistência, corremos o risco de o Mercosul abrir-se mais para o processo de criação da Alca (Área de Livre Comércio das Américas). Vai depender em muito da Alemanha e da Europa se o Mercosul negociará com os norte-americanos numa posição forte ou enfraquecida", analisa o social-democrata.

"Lula sabe que não se pode parar a globalização"

O ex-professor de História e Política descarta o cenário de terror pintado por alguns adversários de Lula na campanha eleitoral de que um governo petista poderia agravar a crise do Mercosul. "Nos últimos tempos cada vez mais empresários declaram seu apoio a Lula e as bolsas vêm refletindo com altas uma expectativa contrária à dos pessimistas." Mark atribui em grande parte à crise argentina o enfraquecimento do Mercosul. "Temos conjuntamente, UE e Mercosul, tentar resolver os problemas, pois ambos os lados só têm a lucrar se o Mercosul funcionar melhor", ressalta.

Quanto à globalização, o social-democrata alemão não vê espaço para o futuro governo do PT desligar-se do processo. "Lula sabe que não se pode parar a globalização. Tem de tentar dar a ela pelo menos contornos humanos em seu país. O Brasil deve buscar tornar sua economia mais competitiva em todo o mundo e nisto a União Européia também pode colaborar", afirma Lothar Mark.

Leia mais