1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"O colapso da sociedade civil norte-americana"

Governos europeus se solidarizam com as vítimas da catástrofe, enquanto a mídia não poupa críticas à Casa Branca, ao comparar a atual situação em Nova Orleans com as mazelas de países africanos em guerra civil.

default

Milvertha Hendricks, 84, vítima da tragédia em Nova Orleans

Boa parte da imprensa européia vem registrando, nos últimos dias, o paradoxo que a devastação causada pelo Katrina nos EUA trouxe à tona: "O país mais rico e poderoso do mundo, onde cidadãos mendigam por água, comida e auxílio, passando por sofrimentos que só se conhece no Sudão ou na Nigéria", estampa o britânico The Guardian.

Solidariedade e apoio técnico

Bildgalerie 2 Hurrikan Katrina

Voluntários da Cruz Vermelha entre as vítimas do Katrina

Os ministros do Exterior da União Européia, reunidos no Reino Unido na última sexta-feira (02/09), demonstraram abertamente solidariedade com os EUA, apoiando a liberação de reservas estratégicas de petróleo. "Uma medida necessária", segundo o encarregado da Política Externa e de Segurança da União Européia, Javier Solana.

O governo alemão anunciou o envio de apoio médico e técnico aos EUA, além dos alimentos já a caminho das regiões atingidas. O chanceler federal, Gerhard Schröder, ofereceu ao governo norte-americano vacinas e equipamento médico-hospitalar, além de pessoal qualificado em ações de resgate e especialistas em abastecimento de água.

Leviandade na falta de prevenção?

Bildgalerie 2 Hurrikan Katrina George

Bush andando por Biloxi, na região atingida pelo Katrina

O enfoque de parte da mídia européia, no entanto, não é dado apenas à catástrofe natural, mas principalmente à atitude das autoridades norte-americanas em relação ao ocorrido.

"O governo Bush não pode dizer que não foi alertado a respeito. Previsões metereológicas anunciaram há semanas que um furacão se aproximava. A mídia acompanhou o Katrina de perto, quando ele partiu para cima do mar. E mesmo assim não estiveram em condições de estabelecer um plano de emergência adequado, capaz de colocar os cidadãos em segurança e organizar um resgate rápido e eficaz. Preferimos nem pensar que o perfil pobre e negro da população tenha sido a razão dessa leviandade", comenta o Der Morgen, de Bruxelas.

A lentidão das autoridades em fornecer socorro às vítimas, a demora de Bush em se locomover até as regiões atingidas e a encenação de sua visita na última sexta-feira (02/09) ocuparam parte dos editoriais da imprensa européia e foram tema de comentários no horário nobre da televisão alemã.

"Cinismo dos inimigos"

Embora o diário italiano Corriere della Sera tenha estampado que "os inimigos dos EUA se alegram cinicamente" com a tragédia, o tom de vários jornais europeus é o de solidariedade com as vítimas, que em sua grande maioria viviam abaixo da linha onde começa a pobreza na nação mais rica do planeta.

Alguns jornais alertaram ainda para o descuido com que as questões relacionadas ao meio ambiente vêm sendo tratadas, lembrando o não de Washington à ratificação do Protocolo de Kyoto. "As imagens de Nova Orleans são um apelo à razão e um não à insensatez da economia mundial, tanto nos EUA quanto no resto do mundo", comenta o diário berlinense taz.

Podridão e morte

Hurrikan Katrina Lage in New Orleans

Vítimas da catástrofe em Nova Orleans

O "odor de podridão e morte", observa o Süddeutsche Zeitung, não é possível de ser transmitido pelas cadeias de TV. Em artigo que relembra a tragédia de 1927, que deixou também um grande número de vítimas – da mesma forma negras e pobres –, o jornal comenta a postura racista de um governo que chama de "saque" a busca desesperada dos negros atrás de alimentos em estabelecimentos abandonados.

E aponta em Nova Orleans "o colapso da sociedade civil norte-americana, cuja tarefa maior é proteger seus próprios cidadãos". Uma sociedade que, neste momento, se vê frente a "um governo alheio à realidade, para o qual a garantia do abastecimento de combustíveis é mais importante que a vida de milhares de vítimas".

Leia mais