1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

"O Brasil perde um grande amigo", diz ex-embaixador alemão

Lideranças políticas, igrejas e mídia na Alemanha lamentam a morte do ex-presidente Johannes Rau. Lula e Amorim destacam legado político do estadista alemão, que tinha apreço especial pelo Brasil.

default

Encontro de Lula com Rau na Alemanha, em 27 de janeiro de 2003

A morte do ex-presidente alemão Johannes Rau, nesta sexta-feira (27/01), foi lamentada na Alemanha e no exterior. Em mensagem de condolência transmitida ao presidente alemão Horst Köhler, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou "a profunda admiração e respeito do governo e povo brasileiros pelo legado político do presidente Rau. Seu compromisso constante com a paz, direitos humanos e tolerância permanecerão no tempo".

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, também enviou mensagem ao seu colega de pasta na Alemanha, Frank-Walter Steinmeier. "O compromisso inabalável do presidente Rau com os princípios democráticos será referência constante no relacionamento entre nossos povos e governos", diz a nota.

Para o ex-embaixador alemão no Brasil, Uwe Kaestner, "não só os alemães, mas também os brasileiros têm motivos para estar de luto". Segundo Kaestner, presidente da Sociedade Brasil-Alemanha (DBG), que congrega lideranças políticas e empresariais dos dois países, "talvez poucos brasileiros saibam, mas Johannes Rau tinha um apreço especial pelo Brasil". Isso – conta o ex-embaixador – começou com uma visita histórica que o então líder social-democrata fez a Lula, quando este ainda era sindicalista perseguido pelo regime militar. "Foi um gesto político inesquecível", lembra.

Johannes Rau in Brasilien

Rau retribuiu visita a Lula em Brasília, em novembro de 2003

"Kaestner, que foi embaixador no Brasil durante a gestão de Rau na Presidência da Alemanha, explica que este foi o motivo pelo qual Lula, após a eleição presidencial de 2002, fez à Alemanha sua primeira viagem ao exterior fora da América do Sul. Isso foi há exatamente três anos, no dia 27 de janeiro de 2003. Em novembro do mesmo ano, Rau retribuiu a visita a Lula em Brasília. Na ocasião, foram comemorados os 40 anos da cooperação Brasil-Alemanha.

"Os dois se tratavam como bons amigos", diz Kaestner. E essa amizade, acrescenta, também refletiu nas "relações de confiança" entre Brasil e Alemanha. "O Brasil perde um grande amigo", conclui o ex-embaixador.

"Ele queria reconciliar em vez de dividir"

Bildgalerie Johannes Rau

'Irmão Johannes' era um dos políticos mais admirados na Alemanha

Rau, que faleceu aos 75 anos, depois de atuar durante meio século na vida pública, era um dos políticos mais admirados da Alemanha. Chegou a ser carinhosamente chamado de "irmão Johannes", por sua proximidade com as pessoas e sua profunda fé. Essa característica também foi destacada nas reações de líderes políticos, da Igreja e dos meios de comunicação à morte do ex-presidente.

"A Alemanha perdeu uma personalidade extraordinária. Ele foi um exemplo brilhante de engajamento pelos direitos humanos e a democracia e deu um forte significado político à Presidência alemã", disse a chanceler federal Angela Merkel (CDU). Ele sempre tentou reconciliar em vez de dividir, acrescentou a chefe de governo em Berlim.

"A Alemanha perde um de seus mais importantes líderes políticos do pós-guerra", declarou o atual presidente alemão Horst Köhler. "Ele foi um homem que tornou o mundo mais humano e no qual as pessoas confiavam." Em nome dos alemães, Köhler transmitiu as condolências à família do ex-presidente. "Não vamos esquecê-lo", disse.

"A social-democracia alemã está de luto por Johannes Rau. Ele vai nos fazer falta", disse o presidente do Partido Social Democrata (SPD), Mathias Platzeck. O ex-chanceler federal Gerhard Schröder o classificou como "um democrata apaixonado, um patriota esclarecido e uma consciência moral do país".

"Estamos de luto por uma pessoa, cuja ação política se orientou pela tolerância e o amor ao próximo", afirmaram os líderes da bancada de esquerda no Parlamento alemão, Gregor Gysi e Oskar Lafontaine, em nota oficial.

Leia mais: reações das igrejas e da mídia alemã

Leia mais