1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

O Brasil na imprensa alemã (25/10)

Novela das nove que tematiza vida de Fabiana Escobar, mais conhecida como Bibi Perigosa, e portaria que dificulta controle do trabalho escravo são destaques da semana.

Süddeutsche Zeitung – Bibi Perigosa, 20/10/2017

"Todas as noites, às 21h, Fabiana Escobar está sentada diante da televisão e acompanha o desenrolar da própria vida. Se a polícia vai pegá-la. Se o marido vai de novo traí-la. De que maneira ela vai bater na amante dele. A cocaína saindo, e os sacos de dinheiro chegando. Há poucos dias ela pôde se ver nadando num quarto cheio de dinheiro. Como o Tio Patinhas. 'Achei tudo muito chique', diz Escobar.

'A novela das nove' é uma instituição no Brasil, como o Sportschau ou o Tatort na Alemanha – mas com muito mais espectadores. São cerca de 50 milhões todas as noites. E esse país louco por televisão debate o que acontece na atual temporada. No momento estão sendo exibidos os últimos capítulos de A força do querer. A novela se baseia numa história real, a de Fabiana Escobar.

Na terra dela, a favela da Rocinha, uma das maiores do Rio de Janeiro, todos a chamam de Bibi Perigosa. Ela mesma se chama assim, apesar de ela não querer ter mais nada que ver com o submundo e ganhar seu dinheiro de maneira legal. 'Infelizmente bem menos do que antes.' Mas o nome Bibi Perigosa ela manteve porque gosta dele. E porque, além da mãe, quase ninguém sabe quem é Fabiana Escobar. 'Ainda sou perigosa', diz, com um olhar que se pode chamar de coquete.

Mas hoje ninguém que encontre essa mulher de 37 anos precisa mais ter medo. A voz dela é rouca, o olhar é atento, o humor tem autoironia, a risada se houve em toda a vizinhança. Ela parece ser simpática já na primeira impressão."

Die Tageszeitung - Brasília faz um barão da soja feliz, 20/10/2017

"O ricaço Blairo Maggi, um barão da soja, está radiante: finalmente, a arbitrariedade no controle das fazendas chegou ao fim. 'Ninguém deve defender o trabalho escravo. Mas pagar multas por causa de questões ideológicas ou porque os inspetores estão de mau humor é injusto', disse Maggi, que, desde a troca de poder no Brasil, no ano passado, é também ministro da Agricultura. E parabenizou o presidente Michel Temer pelo sua mais recente jogada. No início da semana, Temer havia promulgado uma nova portaria que dificultava enormemente o controle e o combate de condições de trabalho análogas à escravidão. Ativistas de direitos humanos, sindicalistas e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) ficaram indignados.

Apesar de a nova lei já estar em vigor, as regras ainda poderão ser anuladas. Os primeiros a se manifestarem foram o Ministério Público Federal e o Ministério Público do Trabalho. Eles argumentaram que o Ministério do Trabalho deveria revisar a portaria, pois ela era contrária às normas internacionais e à legislação brasileira.

Há anos que o Brasil era considerado modelo no combate à exploração por meio de condições análogas à escravidão. Entre 1995 e 2015, quase 50 mil pessoas foram libertadas dessa situação por meio de controles de inspetores do Ministério do Trabalho."

AS/ots

Leia mais