1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

NSA tenta criar computador capaz de quebrar qualquer criptografia

Documentos recolhidos por Edward Snowden e divulgados pelo jornal "Washington Post" afirmam que a Agência de Segurança Nacional dos EUA trabalha no desenvolvimento de um computador quântico.

A Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos tenta desenvolver um computador quântico que poderá quebrar qualquer tipo de criptografia, noticiou nesta quinta-feira (02/01) o diário americano Washington Post. Especialistas disseram à publicação, porém, que uma máquina como esta levaria anos para ser construída.

Segundo o jornal, documentos recolhidos pelo ex-consultor da NSA Edward Snowden indicam que o computador permitiria ao serviço secreto decifrar códigos de informática utilizados para proteger dados bancários, médicos, governamentais e do mundo dos negócios.

A construção desse tipo de computador faz parte de um programa chamado Penetrating Hard Targets, orçado em 79,7 milhões de dólares. A computação quântica tem sido uma das metas de empresas comerciais como a IBM, pois aproveita o poder dos átomos e moléculas para aumentar a rapidez e segurança de computadores.

A NSA não comentou a notícia publicada pelo Washington Post, mas especialistas citados pelo jornal afirmaram que é improvável que a agência esteja perto de criar uma máquina desse tipo sem que a comunidade científica soubesse da realização dos estudos.

"Parece improvável que a NSA possa ter ido tão longe sem que mais ninguém soubesse disso", declarou ao diário Scott Aaronson, professor de engenharia elétrica e ciências da computação do MIT, nos EUA.

Divulgadas há cerca de seis meses, as denúncias de Snowden revelaram a amplitude do programa de espionagem americano, em particular da NSA. Entre os chefes de Estado que teriam sido espionados estão a presidente Dilma Rousseff e a chanceler federal alemã, Angela Merkel. Atualmente, Snowden tem asilo temporário na Rússia.

FC/afp/rtr/lusa

Leia mais